Intensificação das ações de imunização contra o sarampo começa nesta segunda

Durante reunião de alinhamento em relação às estratégias de enfrentamento ao sarampo, realizada nessa sexta-feira (23), pela Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), a diretora do Departamento de Vigilância Ambiental e Epidemiológica (Devae), da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa- Manaus), Marinélia Ferreira, informou que inicia na próxima segunda-feira (26) a intensificação das ações de imunização.

“As baixas coberturas vacinais são uma constante preocupação da saúde, principalmente em crianças de 6 meses a menores de 2 anos. Por isso, Manaus faz um chamamento aos pais ou responsáveis para que compareçam em uma das 182 salas de vacinas com o cartão da criança e atualizem o calendário da vacina. Nossa preocupação vai muito além do sarampo”, enfatizou.

Presente na reunião pelo Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM), a promotora Cláudia Câmara destacou o papel do Judiciário para reforçar ainda mais as estratégias do setor da saúde. “Estamos acompanhando essa situação do surto de sarampo desde 2018, e agora, nesta nova fase, nossos trabalhos serão voltados para reforçar o esforço coletivo dos diversos entes da saúde na busca da cobertura vacinal preconizada pelo Ministério da Saúde, tanto na capital como também no interior”, ponderou.

A reunião foi realizada na sede da instituição, com a presença de representantes da FVS-AM, Secretaria Municipal de Saúde, Secretaria Municipal de Educação (Semed) e Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM).

Diante da situação nacional em relação ao sarampo, a diretora-presidente da FVS-AM, Rosemary Costa Pinto, destacou, em sua a explanação, a atual situação epidemiológica do vírus no estado. “Continuamos com a situação sob controle, porém em estado de alerta. É importante salientar que o vírus que está circulando em São Paulo é de outra cepa, diferente da registrada no Amazonas, portanto precisamos manter toda a rede de atenção à saúde atenta para os sinais e sintomas do sarampo, que também são comuns a outras doenças febris exantemáticas, como dengue e zika”, explicou.

Durante a reunião, Rosemary reforçou a importância da integração dos diversos setores da saúde e, principalmente, do engajamento da área da educação. “Para controlar um surto, é essencial que os fluxos de vigilância, de assistência e de diagnóstico laboratorial estejam bem definidos e claros junto aos profissionais de saúde, para que os protocolos sejam seguidos em tempo oportuno”, disse.

Situação Epidemiológica do Sarampo no AM

Durante o surto de fevereiro a dezembro de 2018, foram notificados 11.464 casos oriundos de 50 municípios do Amazonas. Desse total, 9.806 casos foram confirmados. Ainda em 2018, foram registrados seis óbitos pela doença, sendo três em crianças menores de 5 anos.

Em 2019, até o momento, foram notificados 92 casos da doença, com a confirmação apenas de quatro casos até fevereiro deste ano. Não há registro de novo casos há mais de 186 dias.

Situação vacinal 

Em 2018 foram vacinadas com a tríplice viral, que protege contra sarampo, rubéola e caxumba, 67.683 crianças de 1 ano de idade no estado, o que representa uma cobertura vacinal de 88,6% da população-alvo. A cobertura ideal para conferir real proteção à população é de 95%.

Rosemary Costa Pinto alerta que há um resíduo de crianças que continuam sob o risco de contrair a doença. “A ameaça é real, considerando a possibilidade de reintrodução da circulação viral a partir dos estados em epidemia, principalmente São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia”, salientou.

Com informações da FVS