Internações por crises respiratórias agudas cresceram mais de 500%

Reuters

O número de hospitalizações causadas por crises respiratórias agudas registrado nos quatro meses deste ano teve crescimento de 506% em relação ao mesmo período de 2019, segundo informações do Ministério da Saúde.

Entre 1 de janeiro e 30 de abril, foram registradas 82.312 internações devido às chamadas síndromes respiratória aguda grave (Srag). Desse total de casos, foram registrados 5.901 óbitos. O governo investiga quantas dessas mortes foram, efetivamente, causadas pela covid-19 ou por outras doenças respiratórias.

É grande a subnotificação de casos de coronavírus no País. Pesquisas já chegaram a estimar que os números oficiais deveriam ser multiplicados por até dez vezes. Em muitos Estados, há enterros ocorrendo sem a conclusão das investigações sobre as causas das mortes. O volume de testes e confirmações de contaminações, apesar de estar em fase de expansão, ainda não conseguem apontar uma visão mais precisa do quadro nacional. Na prática, o País não tem uma noção objetiva da tragédia que se espalha.

O Brasil encerra o mês de abril com um total de 5.901 óbitos e 85.380 pessoas contaminadas pelo novo coronavírus. Nas últimas 24 horas, o País registrou 435 mortes e 7.218 novos casos de contaminação de covid-19.

Desse total de casos, há 43.544 em acompanhamento (51%). Outros 35.935 pacientes se recuperaram (42%). O Ministério da Saúde informou que investiga a causa de 1.539 óbitos.