“Interromper políticas públicas é um crime”, diz Eduardo Braga

“É preciso amar a causa, amar muito as pessoas para fazer a diferença na vida de uma população”, afirma o candidato pela coligação União pelo Amazonas, Eduardo Braga, ressaltando que quem interrompe políticas públicas somente porque foram criadas pelo governo anterior está cometendo um verdadeiro crime contra a sociedade.

“Como pode um governante acabar com o programa Jovem Cidadão só por que foi criado por mim? É um crime 200 mil jovens terem perdido a escola de Tempo Integral, também criada no meu governo”, lamenta o candidato, afirmando que a diferença entre ele e os demais está em prometer, cumprir e manter.

O Prosamim, segundo Eduardo, é um “top line” que funciona desde 2004 e, infelizmente, parado no momento. “Esse programa era para continuar até 2020. Meu sonho é não ter pai de família chorando com casa invadida por água e lixo toda vez que chover.”

De acordo com Eduardo, não existe desculpa para os moradores de Manacapuru, por exemplo, estarem há sete anos aguardando a duplicação da rodovia Manoel Urbano. “Isso é prova de quem não tem compromisso com o povo”, afirma.

“Se eleito, garanto que em agosto de 2018, no Festival das Cirandas, os visitantes conseguirão chegar a Manacapuru por uma estrada duplicada”, avisa o candidato, reforçando que todas as suas políticas públicas são longevas, ao contrário das dos demais candidatos. “Não vemos propostas consistentes e prazos estabelecidos por nenhum outro adversário.”

SAÚDE EM ALTA

O Plano de Emergência da coligação União pelo Amazonas garante que em 120 dias a população verá mudanças substanciais na área de saúde. “Acabaremos com as filas para exames, consultas específicas e cirurgias eletivas em 4 meses, por meio de um grande mutirão.”

Eduardo volta a pedir aos eleitores que fiquem atentos às propostas e, mais ainda, de onde elas vêm. “A população ainda não se deu conta de que só fizeram trocar ‘z’ por ‘a’. É o mesmo grupo político, o mesmo projeto. Lembrem-se que o Melo (ex-governador) foi cassado por fraude eleitoral. E isso não sou eu quem está dizendo. Foi o TRE (Tribunal Regional Eleitoral) que apurou e constatou”, adverte Eduardo.

Foto: Divulgação 

Assessoria de Comunicação

Esta matéria é de total responsabilidade do candidato