Investigado por desvio de ouro, ex-secretário do AM se torna réu na Justiça

O ex-secretário adjunto de Inteligência do Amazonas, Samir Freire, foi preso durante a Operação “Garimpo Ilegal”, em julho deste ano

ex-secretario justiça

Foto: Sérgio Augusto/PC-AM

O delegado e ex-secretário adjunto de Inteligência do Amazonas, Samir Freire, e mais seis pessoas investigadas por desvios de ouro, tornaram-se réus na Justiça. A decisão da juíza Suzi Irlanda Araújo Granja da Silva, da 2ª Vara Criminal de Manaus, atende uma denúncia entregue pelo Ministério Público do Estado (MPAM).

Samir Freire e a seis são acusadas de envolvimento em crimes de extorsão contra garimpeiros. Eles são acusados de subtrair cerca de R$ 18 milhões em ouro. Além de extorsão, eles devem responder por fraude processual e organização criminosa.

O ex-secretário adjunto de Inteligência foi preso no dia 9 de julho durante a Operação “Garimpo Urbano”, deflagrada pela Polícia Federal e pelo Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco), do MPAM.

Segundo a Polícia Federal (PF), os suspeitos ameaçavam os motoristas que transportavam a carga e monitoravam as vítimas através usando a estrutura Secretaria Executiva Adjunta de Inteligência (Seai).

Em agosto deste ano, o Radar Amazônico noticiou que a Justiça do Amazonas decidiu prorrogar a prisão de Samir Freire por mais 30 dias. Além de Samir, a Justiça também estendeu a prisão dos policiais Adriano Frizob, André Silva da Costa e Jardey Bello, investigados na Operação “Garimpo Urbano”.

Sobre a operação

À época, foram cumpridos quatro mandados de prisão temporária e dez mandados de busca e apreensão por equipes operacionais na capital e interior do Amazonas e, ainda, no interior do Estado do Pará.

O promotor de Justiça, Armando Gurgel Maia, da Gaeco, afirmou de acordo com o que foi denunciado pelas vítimas, que os policiais agiam de maneira intimidadora contra os garimpeiros nas abordagens.

O grupo abordava as vítimas alegando que receberam denúncia de tráfico de drogas, e mesmo sem estar com entorpecentes e o receio por estar com o metal, os garimpeiros entregavam o ouro por se sentirem chantageados.