Ipem revela que medidores instalados pela Amazonas Energia contabilizavam o dobro do valor do consumo

Os medidores instalados pela Amazonas Energia foram alvos de protestos da população, principalmente na zona Norte de Manaus

medidores amazonas energia

Foto: Divulgação

O Instituto de Pesos e Medidas do Amazonas (Ipem/AM) confirmou a veracidade de inúmeros denúncias da população manauara e disse que os medidores instalados pela concessionária Amazonas Energia apresentaram o dobro na contagem de consumo elétrico, impactando diretamente no valor da fatura.

A informação foi divulgada pelo diretor-presidente do órgão, Márcio Brito, durante reunião da CPI da Amazonas Energia, realizada nessa sexta-feira (11) no bairro Alvorada II, zona Centro-Oeste de Manaus.

“Fiscalizamos mais de 25 mil medidores de energia elétrica e os consumidores tinham razão, porque os aparelhos estavam marcando errado. Em alguns casos, o valor cobrado estava vindo dobrado”.

Márcio completou dizendo que o laudo da Amazonas Energia é unilateral e ilegal.

“O laudo da concessionária não tem validade, visto que o oficial é do Ipem. O Ipem é o órgão delegado do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), para realizar a medição e definir se os medidores de energia estão marcando corretamente ou não”, completou Márcio Brito.

O presidente da CPI da Amazonas Energia, deputado estadual Sinésio Campos (PT), afirmou que irá lutar na Assembleia Legislativa para que os consumidores inadimplentes junto à concessionária não tenham seus nomes encaminhados ao Serasa.

“Não queremos que as dívidas de energia sejam repassadas aos cartórios, visto que quando há esse repasse, o nome segue para o Serasa. De uma multa pequena, acaba virando algo impagável, pois como o senhor Izaquiel vai pagar uma dívida de R$ 80 mil? Será que ele vai para vela ou lamparina?”, disse o parlamentar.

Alvo de protestos

Os novos medidores instalados pela Amazonas Energia motivaram várias manifestações em diferentes bairros da capital. Os consumidores denunciavam que após a instalação do novo sistema, o valor da fatura triplicava de valor.

Recentemente, o presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), desembargador Domingos Chalub, negou o pedido da concessionária Amazonas Energia para suspender os efeitos da ação movida pelo senador Eduardo Braga (MDB), que determinou a suspensão da implantação do novo sistema de medição (medidores em postes) e de cobrança das medições já realizadas pelo novo sistema, sob pena de multa.

“A decisão liminar que determinou a suspensão da utilização do novo sistema teve por fundamentação a proteção aos direitos dos consumidores amazonenses, especialmente aos relacionados à informação completa acerca da nova forma de medição e cálculo do consumo de energia elétrica. A Amazonas Energia S/A não se desincumbiu de seu ônus probatório em demonstrar que observou o direito de informação prévia de seus consumidores acerca da nova metodologia de medição do consumo aplicada”, afirma o presidente do TJAM, em trecho da decisão.