Já que é Dia do Trabalhador, que tal trabalhador parar de esculhambar trabalhador?!?!

É óbvio ululante que quando existe uma greve há reflexos em toda a sociedade, com prejuízos e incômodos. E, é obvio também e, humanamente explicável, que a primeira reação de um ser humano seja criticar quem está fazendo greve, deixando de prestar um serviço à população, ainda mais quando é um serviço essencial, como educação, saúde, segurança, transporte… Quer ver um exemplo? Quem não se irritou alguma vez quando estava preso no trânsito, cansado, estressado, doido pra chegar em casa, e viu o tráfego ficar ainda mais lento com a presença de manifestantes nas ruas? Nesses casos, se irritar é normal, né gente? Mas, na minha opinião, existe uma situação que não é normal.  Trabalhador esculhambar trabalhador como se o cara tivesse fazendo greve de propósito, só pra irritar, pra prejudicar, pelo mero fato de ser espírito de porco. E fica ainda mais inadmissível ver que, contra quem está na outra ponta das relações de trabalho, o patrão seja ele público ou privado, ninguém tem nada contra a dizer.

Não se quer aqui fazer aquele antigo discurso marxista-leninista, com luta do proletariado, e coisas do tipo. Mas, dá um tempo, trabalhador ficar contra trabalhador já é um pouco demais. E como disse antes, o empresário sai incólume desse processo. Quer ver um exemplo disso? Os empresários de transporte coletivo recebem isenção de impostos de tudo que é lado, federal municipal e estadual, recebem por mês R$ 2 milhões de reais sob justificativa de um tal subsídio ao transporte coletivo, desrespeitam tudo que é Lei quando não cumprem obrigações do tipo renovar a frota de ônibus, em contrapartida não pagam nem os direitos trabalhistas dos seus funcionários, não depositam nem o FGTS e o INSS, retirando até o direito do trabalhador de se aposentar na velhice, e ainda saem de “certinhos” quando os rodoviários fazem paralisação. A população, repleta de trabalhadores, desce o malho nos rodoviários, e a Justiça decreta seguidas vezes que a paralisação é ilegal. Mas, e os empresários?

A mesma coisa na recente paralisação dos policiais militares. Muita gente, e de forma honesta me incluo nessa lista, já criticou policial estressado, grosseiro, desrespeitoso com quem paga seu salário que é o cidadão – afinal são os nossos impostos que fazem o Governo ter dinheiro para pagar seus salários, não é mesmo? Pior ainda é quando um policial é corrupto, aceita grana de traficante, extorque empresário e comerciante, aceita grana de quem vive de prostituição, e muitos outros crimes. E, como repórter policial que já fui, quantas vezes não provoquei a ira de policiais ao dizer que policiai desse tipo tem que se punidos ainda com mais rigor que bandido, expulsão e cadeia pra eles.  Mas, dá um tempo! Levar bala pela cara, ameaça de traficante até pra família do cara, humilhação de superior, comida de porco, um fardamento por ano de péssima qualidade –, já vi policial ter terríveis reações alérgicas ao tecido de última qualidade -, possibilidade de promoção só quando já está velho, tudo isso por R$ 2 mil reais, é de enlouquecer qualquer um, não é mesmo? E, pelo amor de Deus, os mal intencionados não digam que estou aqui dando justificativa pra policial corrupto.

Apenas estou tentando mostrar que o trabalhador tem suas razões para fazer uma greve e que ela deve ser analisada. E se não der pra pensar pela Leis dos homens, o que é justo ou não, que essa gente que vive falando de Deus (na maioria das vezes em vão) pense apenas no maior de todos os mandamentos: “Amai o teu próximo como a ti mesmo”. E aí fica fácil se colocar no lugar dos outros irmãos trabalhadores, né gente? (Any Margareth)