Jornalista agredida fala sobre passagens na polícia de ex-agressor: ‘Assustador. Não tinha noção’

Ana Luiza Dias ficou em cárcere privado na casa de Fred Henrique Moreira Lima por três dias, sendo agredida. Ele tem passagens na polícia por violência doméstica, roubo e tráfico

Foto: Divulgação

Assustada. É assim que a jornalista Ana Luiza Dias, de 37 anos, descreve seu estado de espírito ao descobrir detalhes da vida pregressa de Fred Henrique Lima Moreira, de 30 anos. O homem que há duas semanas era seu namorado, mas que a manteve em cárcere privado, a agrediu, quebrou o seu maxilar e ainda a ameaçou mesmo no hospital.

“A cada hora descubro uma coisa nova sobre ele. Ao saber da ficha criminal, já acho até que tive sorte”, diz sobre os registros na polícia que envolvem outros casos de violência doméstica, roubo e tráfico.

Ana diz que conheceu Fred através de conhecidos em comum, e não fazia ideia da vida pregressa dele. “Não sabia da vida pregressa dele, nem que tinha ficha criminal. Eu o conheci em um momento em que estava frágil e talvez não tenha percebido algumas coisas. Mas hoje sei que, se você está com um agressor, ele vai te agredir. Não vai ser diferente. Agrediu no passado, vai agredir no futuro”, diz ela, que segue se recuperando da cirurgia no maxilar.

Ana e Fred estavam juntos há oito meses, e ele relatou que o primeiro episódio de agressão aconteceu no fim do ano passado. Ela relevou, seguiu adiante no relacionamento até o episódio no final de abril que quase custou sua vida.

Sororidade no IML

“Eu fui ao IML na sexta-feira (6) e, em dado momento, fui abordada por uma mulher que falou que me conhecia, que tinha me visto na televisão. Meio tímida, ela falou que viu o meu caso e tomou coragem para denunciar o seu agressor. Tenho fé na Justiça, mas já me ajuda saber que encorajei a mulherada a denunciar seus agressores”, diz.