Jornalista da TV Encontro das Águas denuncia crime de ‘rachadinha’ realizado por diretor-presidente da emissora (ver vídeo)

Foto: reprodução

A jornalista e advogada, Nauzila Campos, na tarde desta terça-feira (27), denunciou, por meio de suas redes sociais, a prática de “rachadinha” na TV Encontro das Águas, antiga TV Cultura, cometida pelo diretor-presidente da emissora, Oswaldo Lopes e o servidor concursado Welder Alves, que supostamente atuavam juntos na conduta criminosa, onde coagiam os funcionários pedindo dinheiro em espécie para pagar diárias em viagens à trabalho, para não deixar vestígios de transferência bancária.

Nauzila informou que a denúncia foi formalizada ao Ministério Público do Estado do Amazonas (MPAM) em junho deste ano. Segundo a advogada, além do crime de peculato, os funcionários vivem um “verdadeiro inferno” desde 2019, com inúmeras denúncias de assédio moral, desde quando Oswaldo assumiu a direção da TV pública.

“O assédio moral é constante, as demandas são desumanas. Como viajar incessantemente sem recursos financeiros suficientes sequer para se alimentar de um jeito digno. Além do acúmulo de dívidas, numa gestão desastrosa e egocêntrica. O cara aparece nas nossas redes sociais mais que as notícias”, desabafou.

A jornalista contou que descobriu o esquema de rachadinha quando foi nomeada diretora de produção na TV Encontro das Águas. “Fizemos uma viagem a Brasília, e eu nunca recebi diária, apesar de ter viajado incontáveis vezes na gestão do Oswaldo. Recebi o pedido dele de entregar o meu dinheiro para supostamente pagar as custas de hotel. Eu me fiz de doida. Óbvio. Pedi afastamento do cargo e férias imediatamente fui retirada de maneira arbitrária de todos os grupos de trabalho. E sofri ameaças no WhatsApp também”, afirmou.

Com o retorno de suas férias, Nauzila disse que  a perseguição contra ela continuou a ponto de ser impedida de fazer gravações no jornalismo, e foi obrigada a mudar de setor. Por fim, ela fez um apelo ao Governador Wilson Lima, que também é jornalista e pediu sensibilidade sobre a situação.

“Governador Wilson Lima, o senhor é jornalista. Eu peço sensibilidade para afastar essas pessoas de seu cargos. A gente não merece passar por tudo isso. Imploro também ao poder público uma atitude, um andamento da denúncia que já foi feita. A TV pública do Amazonas pede socorro. E só quero exercer o meu direito de trabalhar em paz”, finalizou.

Mortes na TV Encontro das Águas

O Radar acompanhou outra denúncia sobre o diretor-presidente, Oswaldo Lopes, que foi responsabilizado pelas mortes de servidores da TV Encontro das Águas, durante o pico da pandemia no Amazonas. Só no mês de janeiro de 2021, onde o Amazonas teve a crise dos oxigênios, três funcionários da TV e Rádio Encontro das Águas morreram vítimas da Covid-19.

Segundo relato dos funcionários, Oswaldo Lopes agia de forma irresponsável e desumana. Na base do grito e de ameaças, como por exemplo o de não assinar a folha de pagamento, a emissora mantinha funcionários trabalhando presencialmente, mesmo aqueles que têm idade avançada e que possuem comorbidades.

Na época, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Amazonas (SJPAM) entrou com uma denúncia nos Ministérios Públicos do Estado e do Trabalho para responsabilizar à direção da empresa por não ter adotado medidas de prevenção e ainda ter obrigado os funcionários a trabalhar.

O Radar entrou em contato com o Governo do Amazonas para saber se alguma providência será tomada sobre a denúncia da profissional, mas até o momento da publicação desta matéria, não obtivemos resposta.

Veja o vídeo da denúncia