Jornalistas possessos distorcem informações e manipulam opinião pública

Esses jornalistas encapetados não têm jeito mesmo – brincadeirinha viu gente? Mas, em outras palavras, faltou um tantinho assim para o vereador Carlos Alberto enveredar por esse rumo da “guerra santa” onde um bando de jornalistas possessos do cramulhão perseguem os cristãos da “grande nação ivangélica” – não escrevi errado estou apenas repetindo exatamente como fala o vereador-pastor. O parlamentar disse, mais uma vez, em defesa de sua emenda à LDO, a 079, que inclui no orçamento da Prefeitura o financiamento com recursos públicos dos eventos evangélicos, que a matéria “não é macula, nem distorce o dito Estado Laico“, que por definição constitucional é aquela Nação que não possui religião oficial e, em que existe a separação entre Estado e Igreja, ou seja, o que é de Deus é de Deus, e o que é do Estado, como o dinheiro do contribuinte, por exemplo, é de todos, até mesmo dos ateus – igualzinha à definição que o vereador-pastor gosta de pregar, não é mesmo? Segundo o vereador, a divulgação “distorcida da emenda foi feita por um grupo da imprensa que manipula a opinião pública” e a “inconstitucionalidade apontada não passa de preconceito religiosos” . Mas, não é jornalista que tem o pré-conceito, ou faz a discriminação (significa fazer distinção, viu pastor?) criando uma nação que é “ivangélica”, já que fazemos parte da Nação Brasileira. E, pra concluir, se somos pecadores por “distorcer informações”, o que significa aos olhos de Deus, fazer chantagem com o prefeito pra “defender interesses” – expressão usada por um dos vereadores evangélicos?

Culto de Descarrego

E os jornalistas aqui do Radar pareciam até tomados por uma possessão meeeesmo! Quase vai todo mundo pro culto de descarrego – brincadeirinha, viu? Porque era um tal de gente se debatendo e rangendo dentes, que dava até pra pensar em espírito imundo. Foi só ouvir o vereador-pastor soltar a “pregação” sobre o “povo manuara que apreceia a boa música”.   Vade retro!

Pregando a paz

E, com o menor sinal de uma possível debandada dos evangélicos das hostes governistas, o líder do partido do prefeito, o PSDB, na CMM, o católico fervoroso vereador Mário Frota correu pra tribuna e pregou a paz: “As religiões foram feitas para unir os homens, e não separá-los”. Que benção se todo mundo pensasse assim!

A mão que doa

E os homens que falam tanto de Deus e de seguir a Palavra, deveriam estar preocupados com a prática e não com o discurso. Falo isso, porque vejo políticos que, costumeiramente, ocupam a tribuna para dar demonstrações verbais de como seguem os preceitos cristãos, de como têm rígidos padrões morais e espirituais, e depois fazem alarde sobre a prática da caridade, posando pra fotos fazendo doações pra entidades filantrópicas, sem pensar que estão indo contra tudo aquilo que pregam para os outros. Dizia Jesus sobre a caridade: “Quando, pois, deres esmola, não faças tocar trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serem glorificados pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão.
Mas, quando tu deres esmola, não saiba a tua mão esquerda o que faz a tua direita;
Para que a tua esmola seja dada em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, ele mesmo te recompensará publicamente. Mateus 6:1-4

Sabedoria e pretensão

Talvez seja por essa dicotomia entre prática e discurso que, com o passar dos anos, cada vez gosto mais da simplicidade de gente do povo, daqueles que dizem saber tão pouco e, exatamente por isso, demonstram saber muito. Um jornalista aqui do Radar, outro dia, resumiu em uma frase de Millôr Fernandes, essa questão: “o sábio sabe o que sabe, e o pretensioso sabe mais do que lhe cabe”. Pura verdade!