Anúncio Advertisement

Jovens pesquisadores fazem “vaquinha” pra participar de competição científica internacional

Um grupo de jovens pesquisadores que, desde 2013, coleciona medalhas em competições internacionais está tendo que fazer vaquinha para representar o Amazonas em mais uma competição, realizada de 09 a 13 de novembro, em Boston, nos Estados Unidos. O grupo de jovens pesquisadores Manaus-Brasil é formado por alunos da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e da Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

Acompanhados do professor Spartaco Astolfi Filho, da Ufam, os estudantes estiveram na manhã de sexta-feira (29) com o deputado Luiz Castro (Rede) expondo alguns projetos de pesquisa e, em busca de ajuda para custear a participação na Competição Internacional de Máquinas Geneticamente Modificadas (iGEM).

“É animador, em meio a tantas notícias ruins, conhecer estudantes comprometidos com a pesquisa científica voltada para o benefício da sociedade, com brilhante desempenho que projeta o Amazonas internacionalmente em biotecnologia”, ressaltou Luiz Castro.

Ele assumiu o compromisso de apresentar emenda ao Orçamento Estadual, propondo a destinação de recursos para incentivar o trabalho e a participação do grupo nas competições internacionais.
Pelo menos cinco membros do grupo Manaus Brasil pretendem viajar aos Estados Unidos para defende o Amazonas em mais uma competição, organizada pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), da qual participarão equipes das universidades de Harvard, Oxford, Cambridge e de Hong Kong, dentre tantas outras.

Na competição de 2014, os estudantes amazonenses ganharam medalha de ouro, desbancando equipes de grandes universidades do Mundo com o projeto de descontaminação dos rios por mercúrio.

Projeto premiado

Utilizando bactérias geneticamente modificadas, os estudantes desenvolveram o projeto de despoluição das águas, devido ao uso indiscriminado de mercúrio na atividade de mineração na Amazônia, que vem causando a contaminação dos peixes, do meio ambiente e toda uma cadeia alimentar, até chegar ao ser humano.

A equipe desenvolveu um biorreator de purificação da água dos rios contaminados por mercúrio, aproveitando bactérias do tipo E.coli que mudam de cor na presença do mercúrio e que manipuladas, também tem o poder de “sequestrar” o metal, tornando-o menos tóxico.

As pesquisas são realizadas nos laboratórios da Ufam e da UEA e contam com o aporte financeiro da Fundação de Amparo á pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), mas devido à crise econômica, os recursos foram reduzidos.

Correndo contra o tempo para driblar as dificuldades, os estudantes buscam apoio em outras instituições, na iniciativa privada e até mesmo com uma “vaquinha”. Para contribuir acesse o e-mail igem.ufam@gmail.com.

Contato: Wladimir 9 9126.2621 – estudante/pesquisador