Juiz manda deputado federal apagar postagem “ofensiva” contra Pauderney Avelino; José Ricardo vai recorrer

 

Foto: Reprodução

O juiz de direito, Leoney Figlioulo Harraquian, no mesmo plantão judicial do dia 31 de dezembro em que determinou o fechamento do comércio não essencial em Manaus por 15 dias, decidiu também que o deputado José Ricardo (PT) deve retirar de seu site e de suas redes sociais publicações em que se refere ao novo secretário municipa de Educação (Semed), Pauderney Avelino, como “ficha suja”. O não cumprimento da decisão gera multa diária de R$ 5 mil para o deputado petista

Pauderney entrou com ação na justiça depois que o deputado José Ricardo fez publicações na internet, no dia 30 de dezembro, alegando que cobraria o cumprimento da Ficha Limpa Estadual, emenda de sua autoria, que proíbe a nomeação de “fichas sujas’ no poder público do Amazonas. Nas matérias publicadas, José Ricardo disse que o novo secretário da Semed teria sido condenado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM) por impropriedade administrativa, quando foi secretário da mesma pasta em 2013

A decisão judicial, classifica as postagens como “ofensivas ao direito de honra e imagem” de Pauderney, e que foram feitas “fundada em processo corrido no TCE cujo o mesmo obteve decisão absolutória transitada em julgado”. No documento enviado à justiça, Pauderney diz que “as acusações são mentirosas e tomam o caráter de notícias falsas, as fake News, para manchar sua imagem junto à população”.

José Ricardo vai recorrer

O deputado federal petista José Ricardo Wendling disse ao Radar, através de contato telefônico, neste domingo (3), que ainda não tinha sido notificado formalmente sobre a decisão do juiz Leoney Figlioulo e que soube do que aconteceu através da imprensa. O parlamentar contou que sua assessoria jurídica já foi acionada, e que vai cumprir a decisão judicial, mas vai entrar com recurso.

“Eu apenas reproduzi aquilo que foi amplamente divulgado pela imprensa do Amazonas e que foi tornado público pelo próprio Tribunal de Contas do Estado sobre o escândalo do superfaturamento de alugueis de prédios para alojar unidades de ensino do município, ao invés do Popder Pùblico construir escolas”, retrucou José Ricardo, acrescentando que vai “continuar pressionando”.

“Já tem denúncia minha sobre isso no Ministério Público, porque não se pode continuar beneficiando um grupo de pessoas, pagando aluguéis com dinheiro público por prédios velhos, que não oferecem condições nenhuma de funcionamento de escolas para abrigar os estudantes de Manaus”, argumenta o deputado.