Juíza afirma que Prefeitura de Manaus pode sofrer intervenção na saúde caso desvios de vacinas sejam confirmados

Foto: Divulgação

Uma intervenção na saúde pública municipal pode acontecer, caso a inconsistência de dados sobre quantidade de doses da vacina contra a Covid-19 continue em Manaus. O alerta foi feito pela juíza federal Jaíza Maria Pinto Fraxe, da 1ª Vara Federal Cível do Amazonas, nesta sexta-feira (22), direcionado à Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) e à sua titular Shadia Fraxe.

Baseadas em inspeções judiciais feitas no Hospital 28 de Agosto, na UBS Nilton Lins e na Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS), a juíza relata que a diretoria do 28 de Agosto solicitou 3 mil doses de vacinas e recebeu 623. Já a Semsa afirma que foram enviadas à unidade hospitalar 1.411 doses, número anotado na planilha oficial da pasta.

Ou seja, existe uma diferença de 788 vacinas entre o que a Semsa oficializou e o que constatou a inspeção no hospital. Diante disso, Jaiza Fraxe determina que, ainda nesta sexta-feira, sejam aplicadas as doses faltantes nos profissionais do 28 de Agosto.

“Claramente faltam no mínimo 788 doses naquele hospital público, que está 24h de portas abertas aos pacientes com Covid. Na hipótese da inconsistência de dados persistir e a suspeita de desvio de vacinas continuar, será decretada intervenção na saúde pública municipal para o fim de regularização da distribuição das vacinas”, afirmou a juíza.

Ainda segundo o documento, não cabe à autoridade de saúde municipal, que atua há apenas 22 dias no cargo, dizer que a diretora do hospital, que o comanda há 16 anos, está errada. Jaíza Fraxe se pronunciou em ação dos Ministérios Públicos Federal, do Amazonas, de Contas do Estado e Defensorias Públicas da União e do Amazonas.

Veja o documento na íntegra