Juíza mantém prisão temporária de envolvidos no caso Flávio

A juíza de direito titular da 2ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Manaus, Ana Paula de Medeiros Braga Bussulo, negou o pedido de revogação da prisão dos investigados no caso da morte do engenheiro Flávio Rodrigues, de 42 anos. Com isso, as prisões temporárias de 30 dias foram mantidas. 

Na decisão, a magistrada também deferiu o pedido de Vittorio Del Gatto para determinar que seja oficiado à Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) para que o investigado faça a exame médico para verificar seu atual estado de saúde. 

A juíza também determinou que no pedido de Elizeu da Paz de Souza, seja conduzido ao local do certame por escolta do Batalhão de Policiamento de Guardas da Polícia Militar, pelo tempo máximo de duração da prova, e, após a realização desta, seja imediatamente recolhido ao local de sua prisão temporária.

Já Mayc Vinícus Teixeira Parede, será transferido da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DHES) para uma “cela do seguro” do Centro de Detenção Provisória de Manaus II (CDPM II).

Quanto aos fatos narrados na petição pela defesa de Mayc bem como no requerimento da defesa de Vittorio Del Gatto, a juíza determinou a extração de cópias das referidas peças, e suas remessas à PROCEAP, para apuração e, em caso de constatação dos fatos narrados, adoção das providências cabíveis.

A magistrada enfatizou, ainda, que não há óbice para que, em caso de violações e abusos por parte da autoridade policial, os advogados dos investigados requeiram as providências necessárias e pertinentes diretamente ao membro do Ministério Público designado pela Procuradoria-Geral de Justiça, por meio da Portaria n. 2972/2019 PGJ, para acompanhar os procedimentos policiais junto à Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), referentes aos fatos ora apurados.

Com informações da assessoria de imprensa.