Justiça alemã deve decidir se Puigdemont será extraditado para Espanha

O ex-presidente independentista catalão Carles Puigdemont compareceu nessa segunda-feira (26) a uma audiência com um juiz na Alemanha, que deve decidir sobre uma extradição para a Espanha por “rebelião”.

O líder separatista catalão foi detido em território alemão neste domingo (25) em cumprimento a uma ordem de busca e captura europeia quando voltava de carro de uma viagem à Finlândia.

A detenção de Puigdemont, depois de atravessar a fronteira com a Dinamarca, provocou grandes manifestações de independentistas em Barcelona.

O Ministério Público de Schleszig explicou que comparecimento de Puigdemont “tem por objetivo único verificar a identidade da pessoa detida”.

“O tribunal regional deverá decidir depois se Puigdemont deve ser detido visando uma entrega a Espanha”, afirma um comunicado. A audiência deve acontecer no período da tarde, segundo uma fonte da Promotoria.

“O tribunal estabelecerá com base em documentos entregues pelo Reino da Espanha se a entrega de Puigdemont às autoridades espanholas tem base jurídica”, explica a nota da Promotoria, sem entrar em detalhes.

A justiça espanhola indiciou na sexta-feira Puigdemont e outros 12 independentistas catalães por “rebelião” e emitiu seis ordens de detenção europeias.

Puigdemont retornava para a Bélgica, onde mora desde que fugiu da Espanha após a frustrada declaração de independência da Catalunha, em 27 de outubro.

O advogado de Puigdemont na Espanha, Jaume Alonso Cuevillas, afirmou nesta segunda-feira que “entre hoje e amanhã” saberão se deve permanecer na prisão enquanto tramita a ordem europeia.

“Sou prudente e penso que existem muitos elementos para ser otimista, mas temos que ser prudentes porque enfrentamos uma situação muito delicada. É muito provável que não deixem que ele saia da Alemanha”.

Após a notícia da detenção de Puigdemont, várias manifestações foram organizadas em Barcelona e terminaram no domingo à noite com distúrbios que deixaram 92 pessoas levemente feridas, incluindo 23 policiais, de acordo com os serviços de emergências da região.

Quase 55.000 pessoas, convocadas pela organização independentista Assembleia Nacional Catalã, caminharam pacificamente da representação da Comissão Europeia em Barcelona até o consulado da Alemanha com cartazes que pediam a “liberdade dos presos políticos”.

Fonte: Notícias ao Minuto