Justiça converte para preventiva a prisão de três envolvidos no caso Flávio

Três envolvidos na morte do engenheiro Flávio Rodrigues tiveram a prisão temporária, convertida em preventiva pela Justiça Estadual, nesta sexta-feira (29). A decisão atingiu Alexandro Valeiko, Elizeu Da Paz e Mayc Parede e atendeu um pedido do Ministério Público do Amazonas (MP-AM).

Já José Edvandro e Elielton Magno foram soltos na noite desta sexta-feira. Eles estavam detidos na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS). Os dois suspeitos são os únicos que não foram indiciados, conforme o relatório final do inquérito policial entregue ao MP, na última quarta-feira (26).

De acordo com o documento, cinco suspeitos na participação na morte do engenheiro foram indiciados. Alejandro, Da Paz e Mayc Vinicius, que assumiu a autoria do assassinato, indiciados por homicídio. Já Paola Valeiko, indiciada por fraude processual, e Vittório Del Gato por omissão de socorro.

O MP-AM deverá analisar o relatório final e decidir se irá ou não apresentar denúncia contra os envolvidos.

Divergências

A defesa de Alexandro afirma que apesar do laudo apontar que o DNA do sangue encontrado na residência do filho da primeira-dama de Manaus, Elizabeth Valeiko, ser do próprio Alexandro, estranhamente o resultado é omitido nas conclusões apresentadas pelos investigadores no relatório final da polícia que levou ao seu indiciamento.

Os advogados questionam e contestam informações contidas no relatório que, segundo eles, são incongruentes. Em entrevista cedida à imprensa na última quinta-feira (28), o advogado Félix Valois disse que a própria polícia chegou à conclusão de que Alejandro não tem envolvimento nenhum no que diz respeito a morte de Flávio.

“Após muitos equívocos, a polícia chegou à conclusão de que Alejandro não fez nada no que diz respeito à morte de Flávio” disse, arrematando: “A polícia diz que ele não fez nada, e o indicia? O que é isso? Não consigo encontrar outra palavra para dizer que não seja perseguição”, acrescentou.

Na ocasião, onde os advogados de defesa de Alejandro disseram ainda que vão solicitar a suspensão do sigilo do processo que investiga a morte do engenheiro Flávio Rodrigues. O objetivo é evitar que informações vazadas sejam distorcidas, o que gera certa perseguição política por Alejandro ser enteado do prefeito.