Justiça decreta prisão preventiva de mulher suspeita de matar avó queimada em Iranduba

Moradores estranharam o fogo vindo da residência e ao chegarem ao local se depararam com a idosa carbonizada na cama

Foto: Divulgação

Cinthia Monteiro da Rocha, 36, suspeita de atear fogo em uma casa no Distrito do Cacau Pirêra, em Iranduba (a 27 quilômetros de Manaus), que resultou na morte de sua avó, Maria Monteiro da Encarnação, 91, teve a prisão preventiva decretada pelo Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) nesta terça-feira (14).

O caso aconteceu nessa segunda-feira (13) na rua 7, bairro Nova Veneza. Segundo a polícia, os moradores da região estranharam o fogo vindo da casa, e ao chegarem ao local se depararam com a idosa carbonizada na cama e ao lado de uma botija de gás. A mulher foi presa pelos policiais civis da 31ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP) de Iranduba após denúncia anônima.

Ela passou por audiência de custódia após o término dos procedimentos cabíveis. Além disso, a Justiça determinou que o Hospital Eduardo Ribeiro passasse um exame psiquiátrico para saber se ela possui algum transtorno mental, como informado por parentes.

Cinthia foi presa em flagrante pelos policiais civis da 31ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP) de Iranduba. De acordo com delegado Raul Augusto, titular da unidade policial, a suspeita do crime estava com um isqueiro na mão no momento que foi presa.

“No momento da prisão ela tinha em sua mão um isqueiro, provavelmente utilizado para atear fogo no imóvel. No quarto onde a vítima se encontrava, observamos uma botija de gás de 8 quilos, queimada na parte superior, dando a entender que, com o uso do isqueiro, a autora transformou o objeto em maçarico para atear fogo na cama”, detalhou o delegado.

O corpo da idosa foi removido pelo Instituto Médico Legal (IML). Não há informações sobre a motivação do crime, mas o caso será investigado pela Polícia Civil do Amazonas (PC-AM).