Justiça determina afastamento de PM que atirou contra adolescente

O titular da 1ª Vara da Comarca de Tabatinga, Juiz Edson Rosas Neto, determinou o afastamento do policial militar Dalton Mariana Ordones pelos crimes de abuso de autoridade e improbidade administrativa. A decisão atendeu ao pedido ajuizado pelo Ministério Público do Amazonas (MP-AM) na última terça-feira (9) através do Promotor de Justiça André Epifânio Martins, titular da 1ª Promotoria de Justiça daquela comarca.

De acordo com o juiz, as declarações das testemunhas possuem fortes indícios de que o policial militar agiu com abuso de autoridade, utilizando-se indevidamente de sua arma de fogo, que é um patrimônio público do Estado do Amazonas. A atitude, segundo o juiz, configura-se como suposto ato de improbidade administrativa.

Diante disso, foi determinado o afastamento temporário e em caráter urgente do policial de suas funções, a fim de evitar novos acontecimentos como os apresentados.

Entenda o caso

Conforme apuração feita pela Promotoria de Tabatinga, no último domingo (7), o policial chegou a rua Santos Dumont, nº 3, bairro Vila Paraíso, por volta das 22h30 e disparou sua arma de fogo contra a vida de um adolescente.

Além disso, houve invasão de domicílio sem autorização legal, caracterizando ato de abuso de autoridade. Segundo a Promotoria de Tabatinga, o policial militar utilizou-se de sua posição para buscar solucionar uma briga de vizinhos.

De acordo com uma testemunha, o PM disparou vários tiros “em frente de sua casa” e repetiu a mesma atitude no meio da rua. O alvo seria um adolescente morador do local. Tal ato configura-se em delito de tentativa de homicídio.

O motivo da confusão teria sido uma briga envolvendo o cunhado do policial e o adolescente vítima da tentativa de homicídio. O crime não foi consumado porque o adolescente correu e ficou escondido em outra residência.

(*) Com informações do MPAM