Líder da Igreja Assembleia de Deus recebe o título de cidadão amazonense do Legislativo estadual

No final do ano passado, um grupo de pastores, liderado pela família Câmara, anunciou o rompimento com a Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil, depois de várias tentativas de assumir o comando da instituição, instância superior da maior igreja evangélica do país.

Pois ontem, o maior líder da congregação, pastor José Wellington Bezerra da Costa, respondeu à afronta com aquilo que pode-se chamar “tapa com luva de pelica”: no Estado onde os adversários têm a maior influência, foi homenageado com um título de cidadão, o nono que ele recebe no país.

Por sugestão do deputado Wanderley Dallas (MDB), pastor dissidente do grupo político comandado pela família Câmara, Costa foi homenageado com o título de Cidadão do Amazonas.

Em um auditório – Belarmino Lins – lotado, ele ouviu o ex-deputado Miquéias Fernandes elogiá-lo por manter-se firme, sem fraquejar, mesmo tendo no seu encalço um perseguidor. Referia-se ao pastor Samuel Câmara, acreano que começou a carreira no Amazonas e hoje dirige a Assembleia de Deus em Belém do Pará, adversário do homenageado nas últimas disputas pelo comando da CGADB.

Fernandes também é dissidente da Igreja comandada pelos Câmara, assim como seu irmão José Fernandes, ex-deputado federal e ex-prefeito de Manaus.

Os dois, ao lado de Dallas, fazem parte hoje da Igreja Assembleia de Deus Tradicional, comandada pelo pastor Gedeão Granjeiro de Menezes, sobrinho dos irmãos Fernandes.

A congregação, dissidente da Igreja Evangélica Assembleia de Deus no Amazonas (IEADAM), é uma das que mais cresce no Estado. Costa assumiu a CGADB em 1988, substituindo o pastor Alcebíades Pereira Vasconcelos, falecido em maio daquele ano, de quem era vice-presidente.

Este último, curiosamente, foi o grande responsável pela ascensão dos irmãos Samuel e Jônatas Câmara, atual presidente da IEADAM. Sucessor de Vasconcelos no Amazonas e mais tarde presidente da chamada igreja-mãe, em Belém do Pará, Samuel Câmara tentou ascender à presidência da CGADB em quatro ocasiões.

Em três delas foi derrotado pelo veterano José Wellington Bezerra da Costa, hoje com 83 anos. No ano passado, sofreu a quarta derrota, desta vez para o pastor José Wellington Bezerra da Costa Junior.

O pai ficou 30 anos na presidência da entidade, sempre submetendo o mandato a votos.

Samuel e Jônatas são irmãos do deputado federal Silas Câmara (PRB), hoje também pastor, considerado o grande responsável pelas dissidências.

Na solenidade na Assembleia Legislativa do Amazonas, o homenageado foi saudado pelo deputado Francisco Souza (PTN), outro que rompeu com o grupo político da IEADAM, junto com Dallas, depois de muitas rusgas com Silas.

No discurso em que agradeceu a homenagem, Costa, que é presidente da Assembleia de Deus em São Paulo, mostrou por que é um líder respeitado em todo país, a ponto de dominar por tanto tempo a direção nacional da instituição: passou ao largo da polêmica com os Câmara e preferiu homenagear Vasconcelos, os pioneiros, e o Amazonas, onde aliás nasceu sua mãe, Sara, ela é natural de Jutaí, no rio Juruá.

Os Câmara, que tentaram construir a imagem de conciliadores nos últimos anos, perderam a chance de mostrar elegância.

Não enviaram sequer representante à solenidade, no dia em que os evangélicos, independente de denominação, choravam a morte do grande pastor norte americano Billy Grahan, uma espécie de papa do protestantismo, homenageado na solenidade com um minuto de silêncio.

Fonte: Assessoria de imprensa
Foto: Wigson Alves