Líder de Melo na Assembleia Legislativa esculhamba o TCE por causa do bloqueio de contas do Governo

Em meio aos discursos que foram feitos pelos deputados, antes da solenidade de posse do presidente da Assembleia Legislativa do Estado, Davi Almeida (PSD), como governador interino do Amazonas, o falatório feito pelo líder do governador cassado José Melo, o deputado Sabá Reis (PR), chamou bastante a atenção. Primeiro porque o parlamentar parecia meio descontrolado e só faltou babar de raiva ao falar sobre o bloqueio das contas do Governo de Melo pelo Tribunal de Contas do Estado.

O Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM), através de decisão monocrática do conselheiro Júlio Pinheiro,  bloqueou, ontem (08/05), as contas do Governo de Melo, após pedido do Ministério Público de Contas do Estado (MPC), que verificou pagamentos considerados suspeitos pelos órgãos de controle, num montante de mais de R$ 238 milhões, após o governador, José Melo e seu vice, Henrique Oliveira, serem cassados pelo Tribunal Superior Eleitoral por compra de votos com dinheiro público.

Sabá Reis classificou a decisão do conselheiro Júlio Pinheiro de “irresponsável” ao bloquear as contas do Governo. E chegou até a colocar o TCE em suspeição ao acusar o órgão de estar agindo politicamente e não tecnicamente. “O TCE está assumindo uma posição partidária”, acusou Sabá Reis.

Para o deputado o Tribunal de Contas “deveria era ficar no seu lugar de órgão auxiliar da Assembleia”. E, caso o TCE continue a agir, segundo ele de forma errada, “essa Casa (Assembleia Legislativa) precisa dizer ao Tribunal de Contas qual é o limite do seu papel”.

Sabá Reis chegou até a fazer o que muitos poderiam considerar uma espécie de chantagem, ao lembrar que os conselheiros são indicados pela Assembleia. “Quando a gente indica um conselheiro, ele se comporta de um jeito, quando se reveste do cargo, ele age de outro”, disse o líder do governador, como se os conselheiros devessem favor. (Any Margareth) 

Foto: Erik Oliveira