Luiz Castro avalia problemas crônicos na área de saúde e reclama da não aprovação de emendas ao Orçamento

deputado luiz castro

O deputado estadual Luiz Castro (PPS) abordou o tema saúde pública  durante a Sessão Ordinária da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam)  nesta terça-feira (11). Ele afirmou que a saúde pública continua sendo uma das áreas mais problemáticas no Estado. Segundo Castro, problemas crônicos verificados nas unidades de saúde não foram solucionados e, em alguns casos, pioraram.

O parlamentar citou problemas existentes na Fundação Cecon, na Fundação Adriano Jorge, o estrangulamento do sistema de média e alta complexidade na capital e a “baixa resolutividade do atendimento no interior”, levando os pacientes a se deslocarem para a capital e, assim, congestionando o atendimento das cirurgias eletivas.

Luiz Castro também falou sobre a questão dos acidentes de trânsito, em especial, os que envolvem motocicletas. Tais ocorrências, de acordo o parlamentar, trazem uma sobrecarga para as unidades de saúde da capital.

“Não há semana em que não cheguem dezenas de pessoas acidentadas por acidentes de moto no interior aqui na capital, sem contar os próprios acidentados de Manaus. Não é tratada como questão de saúde pública a epidemiologia da violência do trânsito, que mata muita gente, sequela muitos jovens pela direção imprudente e quero colocar, que a discussão de saúde pública tem que ser trazida a esta Casa. Não há humildade dos gestores de saúde para debater com quem conhece o interior do Estado”, disse.

O deputado estadual questionou ainda o porquê da aprovação do veto à emenda à LDO, de sua autoria, relativa à implementação da Carreira de Estado de Médico e disse que faltou uma discussão sobre o tema entre executivo e parlamentares.

“Desde Amazonino Mendes, a maioria parlamentar recebe a ordem de vetar todas as emendas parlamentares. O governador nos deve uma explicação e nos deve algo mais importante: inaugurar uma nova relação, permitindo a sua bancada que aprove, ainda que dentro de uma cota negociada, emenda ao orçamento. A Assembleia do Amazonas é a única do Brasil cujos deputados não podem aprovar emendas ao orçamento. Isso diminui a essência do Parlamento”, argumentou.