Luiz Castro denuncia o descaso da UEA com obra abandonada no Careiro Castanho

O deputado Luiz Castro, citou a obra inacabada da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), no município do Careiro Castanho ( a 87 quilômetros de Manaus), como exemplo do desperdício de dinheiro público e do descaso do Governo do Estado com a Educação. Segundo o parlamentar, o obra está abandonada e os alunos estudam em um prédio alugado sem a estrutura adequada para as atividades acadêmicas.

Durante o pronunciamento no plenário da Casa Legislativa, o deputado mostrou com imagens em um telão, a construção inacabada tomada por mato, com paredes deterioradas, com goteiras e sem a presença de um vigilante na área. As imagens mostraram também os estudantes com faixas e cartazes protestando contra o descaso da UEA com a obra.

“Não só a Cidade Universitária, mas o abandono de obras da UEA nos municípios do Careiro Castanho e Apuí, demonstram a falta de planejamento e de compromisso dos governos, desde a gestão de Omar Aziz e agravada na administração de José Melo”, criticou o deputado.

Castro lamentou, ainda, que os estudantes que saíram às ruas do Careiro Castanho, em protesto contra a obra inacabada, não puderam estar presentes na Assembleia Legislativa, devido às dificuldades de deslocamento do município. Eles foram representados pelo ativista social Edson Brito, que participou da sessão.

“Vamos cobrar providências do reitor Cleinaldo Costa, no sentido de buscar os meios para concluir a obra”, afirmou Luiz Castro. Atualmente a UEA oferece os cursos de Tecnologia em Gestão Comercial e Licenciatura em Letras, no período noturno, além de pós-graduação aos sábados.

Também está prevista para o mês de agosto a implantação dos cursos de Licenciatura da Computação e de Licenciatura em Matemática, com mais duas turmas de 45 alunos.

Por outro lado, o líder do Governo, deputado Dermilson Chagas, disse que não é da vontade do governador Amazonino Mendes, que a UEA esteja passando por essa situação e jogou a culpa na gestão anterior. “Recebemos o Governo com cerca de 200 obras paradas. O tempo é curto, mas vamos nos empenhar para oferecer uma solução concreta para os estudantes”, afirmou.

Com informações da assessoria do deputado