Lula acha que Bolsonaro “finge” ter Covid-19 para promover a cloroquina

Foto reprodução

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ironizou que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) talvez esteja fingindo estar com Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, para promover a cloroquina, droga que ele defende no combate à pandemia.

Para Lula, Bolsonaro estaria aliado a Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, para promover o remédio. “Movido pela ignorância, [ele] tenta vender todo santo dia pelo rádio, pela televisão e através das fake news que a cloroquina é a salvação contra coronavírus”, afirmou. As declarações foram dadas durante uma videoconferência realizada na noite desta sexta-feira (17).

O ex-presidente ainda criticou o Ministério da Saúde por ter orientado a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) a recomendar o uso da cloroquina no tratamento precoce de pacientes da Covid-19, apesar de as evidências científicas indicarem a ineficácia do remédio.

“Sem nenhuma orientação médica, ele ontem disse que vai obrigar a Fiocruz a orientar a cloroquina. É hora dos pesquisadores, é hora dos nossos médicos não aceitarem cumprir orientação”, indicou.

O ex-presidente saiu na defesa do isolamento social. “Para resolver a crise sanitária, nós precisamos do bom senso do presidente da República e saber que o único remédio que vai curar, que até hoje nós sabemos, é isolamento das pessoas. O isolamento é a única coisa enquanto não tiver a vacina”, ponderou.

Lula também criticou as sucessivas trocas no comando do Ministério da Saúde. “Não é possível que você tenha em poucos meses, com essa crise, três ministros da Saúde. O primeiro, quando começou a gostar do SUS, foi tirado. O segundo se formou e acho que nunca aprendeu a medir a pressão do cidadão, porque se formou oncologista e montou uma empresa de fundo de investimento na oncologia”, salientou.

O petista ainda reclamou da militarização da pasta, se referindo ao ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello. “Na sua incapacidade de encontrar gente séria na sociedade civil, ele acha que resolve tudo colocando general em todo lugar. O general pode ser bom para muitas coisas, mas não serve para tudo. O general deveria ter recusado”, concluiu.

Bolsonaro confirmou, em 7 de julho, que havia contraído a doença. Ele está isolado no Palácio do Alvorada, residência oficial da Presidência. O presidente afirma que tem usado cloroquina no tratamento. Na última quarta-feira (15/7), Bolsonaro anunciou que ainda está infectado com o novo coronavírus.