Lula cobra aumento do salário mínimo diante de elevação do PIB

O ex-presidente disse que nem sempre o crescimento econômico significa maior oferta de emprego. "Pode ser acúmulo de riqueza", disse

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva comentou, em encontro com líderes de cooperativistas de setores produtivos no Rio Grande do Sul, o aumento de 1% no Produto Interno Bruto (PIB), registrado no primeiro trimestre desse ano, e cobrou que esse resultado reflita em elevação do salário mínimo por parte do atual governo.

“No nosso governo, a gente aumentava o salário mínimo de acordo com o crescimento do PIB. Vocês estão lembrados? Era a inflação do ano e o PIB de dois anos atrás. Aí você estava dando o aumento do PIB para o trabalhador. Mas o que se faz? Quando o PIB cresce, você não recebe aumento de salário?”, questionou o petista.

Lula ainda disse que nem sempre, quando o PIB cresce, é sinal de que empregos foram gerados. Para o petista, pré-candidato à Presidência da República, o crescimento pode ser sustentado inclusive por acúmulo de riqueza e cabe ao Estado implantar políticas públicas com o objetivo de melhorar a oferta de novos postos de trabalho.

“Nem sempre o aumento do PIB significa que gerou mais emprego. Às vezes, nós temos certeza que gerou um acumulo de riqueza para quem é empresário nesse país. Agora do PIB não cresce você pode ter certeza que o trabalhador perde não tenha dúvida”, disse Lula para uma plateia de cooperativistas de vários setores.

“Nós queremos um Estado forte para que o Estado seja o o indutor da boa industrialização, o indutor do crescimento econômico”, disse o petista.

Cooperativas

Lula ainda informou que sua campanha está pensando formas de incentivar o cooperativismo, em substituição às empresas de aplicativos que oferecem vagas com trabalho precarizado.

“A maior lição que aprendi sobre cooperativas é que ninguém cria uma cooperativa de cima pra baixo. Ela tem que ser resultado da descoberta da necessidade da cooperativa pelo povo. E o governo tem que criar condições de facilitar a organização”, disse o petista.

Ele ressalvou que não se trata de ser contrário à tecnologia, mas de dar mais condições de emprego para as pessoas.

O petista citou como exemplo as cooperativas implantadas em Araraquara que, segundo ele, viraram alternativas para trabalhadores que antes estavam trabalhando com aplicativos.

“Nós temos um prefeito Edinho (Silva) em Araraquara (SP), que está criando, através da prefeitura, uma empresa de aplicativo para que 90% do dinheiro gerado pelo trabalho fique com o entregador. Eles pegam só 10% para administrar essas cooperativas”.

Reforma trabalhista

Lula repetiu que pretende fazer mudanças na legislação trabalhista, mas ressalvou que serão mudanças negociadas com os setores diretamente interessados. “Na legislação trabalhista, a gente vai mudar muitas coisas que eles fizeram”, disse o ex-presidente.