Mãe confessa ter congelado recém-nascida após parto no banheiro

delegado_1_1Uma mulher, de 35 anos, confessou ter colocado em uma sacola plástica e congelado a filha recém-nascida, logo após o parto. O caso aconteceu no interior do município de Sombrio, no Sul catarinense, em 27 de julho, mas só foi divulgado pela polícia, nesta sexta-feira (8). Algumas horas depois do parto, a mãe foi atendida em um hospital da região, com hemorragia intensa.

A Polícia Civil começou a investigar o caso na segunda-feira (28), após a médica que atendeu a mulher ter comunicado o fato à polícia. De acordo com informações dos investigadores, a equipe médica identificou restos de placenta na paciente, o que indicaria uma suspeita de aborto. Durante o período que permaneceu internada no Hospital Regional de Araranguá, a mulher negou ter sido gestante. Ao ser interrogada pela polícia, na terça-feira (29), após receber alta, a mulher negou ter tido um bebê.

Buscas pelo corpo foram realizadas na propriedade onde vive a mulher pela Polícia Civil. A equipe de mergulho do Corpo de Bombeiros do município chegou a ser acionada para procurar o corpo em um açude que corta o terreno da residência. Como nada foi encontrado, o delegado da comarca de Sombrio, Luís Otávio Pohlmann (foto), conversou novamente com a mãe da criança que confessou ter dado à luz no banheiro da casa durante a noite de domingo (27).

“Ela confessou ter passado mal durante a noite. Quando foi ao banheiro, a criança nasceu. Inclusive, ela relatou que a menina caiu dentro do vaso sanitário. Após o nascimento, a mulher usou uma faca de cozinha para cortar o cordão umbilical, colocou a recém-nascida em uma sacola plástica e escondeu no freezer da cozinha da casa”,  explica o delegado Pohlmann.

Na quarta-feira (30), a mulher confessou ter escondido o corpo e pediu para que os policiais fossem até sua casa um dia depois. Na quinta (31), a Polícia Civil e o Instituto Médico Legal (IML) de Criciúma estiveram na propriedade e a mulher relatou que o bebê estava dentro de uma geladeira desligada em um galpão nos fundos da casa.

A polícia identificou que o corpo estava congelado. Ao ser questionada pelo fato, a mãe confirmou que tinha deixado a criança no freezer da cozinha até pouco antes da chegada dos agentes, quando ela transferiu o cadáver para o equipamento que estava no galpão.

Criança estava viva

O resultado do laudo feito pelo IML constatou que a criança foi colocada no saco plástico ainda com vida, o que afasta a hipótese de aborto. As hipóteses investigadas pela Polícia Civil são infanticídio, crime praticado pela mãe sob influência do estado psicológico, durante ou logo após o parto. Outra possibilidade é que ela seja indiciada por homicídio.

Durante os 10 dias de investigação, uma análise médica foi solicitada pelo delegado Pohlmann, para verificar as condições psicológicas da mãe do bebê. Segundo a Polícia Civil, a mulher também será indiciada por crime de ocultação de cadáver.

A mãe mora com dois filhos, de 5 e 14 anos, na propriedade que fica localizada no interior do município. Segundo Pohlmann, a família tem um relacionamento conturbado. Os filhos não aceitam eventuais relacionamentos amorosos da mãe. Ela é viúva há cerca de dois anos e não há informações sobre o pai do bebê morto.