Mais cinco jornalistas do A Crítica são demitidos em meio à greve

blank

Mais cinco jornalistas da Empresa de Jornais Calderaro Ltda (Jornal ACrítica, Manaus Hoje e Portal A Crítica) que aderiram à greve reivindicando o pagamento do salário pela jornada de trabalho cumprida foram demitidos nessa terça-feira (15). A empresa, que ainda não apresentou proposta de negociação, seguiu desrespeitando os trabalhadores e selecionou os que receberam até o mês de julho. O mês de agosto ainda continua em aberto.

Em um ato de desobediência às legislações, a empresa mantém ainda jornalistas freelancers (profissional liberal que presta serviços de modo autônomo para empresas ou pessoas) trabalhando em regime de cumprimento de horário, escala, entre outras obrigações trabalhistas, sem, no entanto, cumprir com a obrigação de assinar a carteira dos mesmos. Os jornalistas decidiram pela manutenção da greve.

“Este é um sinal que consideramos de grave desrespeito aos profissionais e seus direitos. Como muitos manifestaram estado de descontentamento, doenças mentais e emocionais em relação ao ambiente de trabalho por conta dos constantes atrasos, esperamos que a empresa possa cumprir com o pagamento de todas as verbas rescisórias a que estes trabalhadores têm direito”, afirmou a presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado do Amazonas (SJPAM), Auxiliadora Tupinambá.

Nessa terça-feira, na reunião virtual de mediação do Ministério Público do Trabalho, a empresa solicitou mais tempo para apresentar o cronograma de pagamento do passivo trabalhista dos jornalistas em greve, bem como as verbas indenizatórias dos profissionais demitidos que buscaram o pagamento devido de seus salários em atraso e o não recolhimento dos encargos trabalhistas. A próxima reunião deverá ocorrer na sexta-feira (18).

Confira como a greve tem sido realizada:

Quarta-feira (02.09) – Funcionários comunicam informalmente a direção da empresa a decisão da maioria dos funcionários de paralisação das atividades

Quinta-feira (03.09) – Por conta das restrições impostas pela pandemia de covid-19, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado do Amazonas (SJPAM) instaura estado de assembléia permanente através de grupo de WhatsApp, com reuniões diárias e onde todas as decisões são tomadas pelo coletivo.

Sexta-feira (04.09) – Diante das discussões e da decisão pela paralisação das atividades por tempo indeterminado, tomada pela maioria, o SJPAM encaminha comunicado de greve à direção da empresa.

No mesmo dia, a direção propôs a suspensão da greve até a quinta-feira (10), quando seriam apresentados os dados de despesa e receita da empresa para ciência dos empregados e construção de um calendário de pagamentos. Funcionários rejeitam proposta, por maioria, uma vez que é o mesmo argumento que vem sendo utilizado há anos pela empresa que descumpre constantemente os prazos estabelecidos por ela mesma.

(*) Informações da assessoria