Mais de 1,2 tonelada de maconha avaliada em R$ 6 milhões é apreendida em lancha no Tarumã

A polícia fez a apreensão de 1,2 tonelada de maconha do tipo skunk e de uma espingarda no bairro Tarumã, na zona oeste de Manaus, na madrugada desta quinta-feira. Segundo o delegado-geral da Polícia Civil do Amazonas, Lázaro Ramos, com mais essa ação, a Polícia Civil do Estado já contabilizou 3,5 toneladas de drogas apreendidas nos primeiros quatro meses deste ano, causando um prejuízo bastante expressivo às facções criminosas que atuam no Estado. Lázaro Ramos enfatizou que participaram dos trabalhos as equipes do Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc), Delegacia Fluvial (Deflu) e Grupo Fera, a equipe de elite da instituição.

“Foram dois meses de investigações, fazendo uso de toda a tecnologia que nós dispomos, juntamente com a Secretaria-Executiva-Adjunta de Inteligência (Seai), vinculada à Secretaria de Estado de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM). Os métodos usados não podemos detalhar nesse tipo de caso”, declarou Ramos.

De acordo com o diretor do Departamento de Investigações sobre Narcóticos, delegado Paulo Mavignier, a mercadoria ilícita foi encontrada na madrugada dessa quinta-feira (18/04), por volta das 2h30, em uma lancha escondida nas proximidades da Praia da Lua, no bairro Tarumã, zona oeste da capital. Além de mais de uma tonelada de maconha do tipo skunk, uma espingarda foi apreendida ao longo dos trabalhos. As equipes policiais montaram campana no local após o recebimento de delações sobre movimentações suspeitas no lugar.

“Ontem (17/04), recebemos a informação de que a substância ilícita seria guardada em um lugar perto à Praia da Lua. O entorpecente veio em uma lancha maior e foi depositado no fundo de um igarapé, onde estavam mais duas lanchas e um bote, com ocupantes vigiando o carregamento. Equipes do Denarc, Grupo Fera e da Deflu fizeram a incursão no local e, felizmente, conseguimos encontrar a droga, avaliada em R$ 6 milhões”, declarou Mavignier.

O diretor do Denarc destacou que ao perceberem a aproximação dos policiais civis no lugar, os ocupantes das embarcações empreenderam fuga, entrando na mata e deixando para trás o carregamento de drogas. O carregamento de entorpecentes, segundo Mavignier, veio do município de Maraã, distante 634 quilômetros em linha reta da capital, e tinha Manaus como destino final. “Provavelmente seria usada para abastecer bocas de fumo na capital e também distribuída para outros estados”, disse.