Mais de 200 famílias estão desabrigadas em Apuí por causa da enchente

Famílias do Distrito Sucunduri, município de Apuí (Sul do Amazonas) estão desabrigadas por causa da enchente. As chuvas intensas na região, que fizeram transbordar o rio Sucunduri, fez com que os moradores abandonassem suas casas, Eles salvaram o que puderam e deixaram o local, diante dos riscos de acidentes e de doenças transmissíveis pela contaminação das águas.

O alerta às autoridades foi feito neste final de semana pelo deputado Luiz Castro. Em contato com a coordenação da Defesa Civil do Amazonas, o parlamentar relatou o transtorno enfrentado pelos moradores atingidos e solicitou a ajuda imediata do órgão, que se comprometeu em tomar providências para garantir segurança aos moradores do Sucunduri. Mais de 200 famílias desalojadas de suas casas, estão abrigadas em escolas.

Luiz Castro também conversou com o prefeito de Apuí, Antônio Roque Longo, e com o vice-prefeito Marcos Lise, que já acionaram a Defesa Civil Municipal e acompanham a situação dos moradores afetados. O município decretou, na sexta-feira da semana passada, Estado de Emergência no distrito de Sucunduri, monitorando a subida das águas, tendo em vista a possibilidade de calamidade, já que as fortes chuvas continuam causando prejuízos à população.
As chuvas intensas estão dificultando também o tráfego na região. Há duas semanas, na estrada que liga Apuí a Novo Aripuanã, duas pontes desabaram, paralisando o tráfego, e causando prejuízos aos produtores daquela área.

Estado de Atenção

O Centro de Monitoramento e Alerta da Defesa Civil do Amazonas emitiu ontem (16), “Estado de Atenção” para toda a calha do Madeira, que segundo o órgão apresenta cenário climatológico e hidrológico propício a uma enchente de grande proporção.
De acordo com o secretário da Defesa Civil, coronel Fernando Pires Júnior, o alerta é um procedimento para chamar a atenção dos municípios próximos, para que comecem a se preparar para a enchente. A calha do Madeira abrange os municípios de Humaitá, Manicoré, Novo Aripuanã, Apuí, Borba e Nova Olinda do Norte. Em 2014 foi registrada a maior enchente nessa região.

“O Estado de Atenção é o primeiro estágio do desastre. É o momento em que as Defesas Civis Municipais devem adotar os procedimentos preparatórios para um possível desastre, identificando áreas que podem ser atingidas, com previsão de afetados, isolamento de área, entre outras ações”, declarou o militar.