Mais de 290 vítimas do incêndio em Educandos já foram atendidas pela Semsa

Foto: Divulgação / Semsa

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), foram realizados 295 atendimentos em apenas dois dias para as famílias vítimas do incêndio ocorrido no bairro Educandos, zona Sul. Entre os serviços disponibilizados estão consultas médicas, atendimentos em enfermagem, verificação de pressão arterial, teste de glicemia capilar e distribuição de medicamentos. Ao todo, 13 médicos, 13 enfermeiros, 12 técnicos de enfermagem, além de 20 profissionais de apoio trabalharam nos atendimentos.

“Assim que tomou conhecimento da tragédia, o prefeito Arthur Virgílio Neto determinou que a Semsa montasse um plano de ação para garantir o acompanhamento médico necessário nessas ocasiões. Ainda na noite de segunda, o Samu fez os atendimentos iniciais, com a remoção dos casos mais graves. Na terça-feira pela manhã, nossas equipes iniciaram os atendimentos nos abrigos”, explicou o secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi.

Segundo ele, a orientação do prefeito é para que seja feita a verificação permanente da real necessidade dos desabrigados. “Estamos, eu e a subsecretária de Gestão da Saúde, Adriana Elias, percorrendo os três pontos do bairro Educandos: a Igreja Batista Constantinopla, a Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e a Igreja Pentecostal do Educandos”, informou Magaldi.

Os profissionais de saúde têm identificado muitos casos de pressão arterial elevada e diabetes descompensada. “São pessoas que fazem uso contínuo de medicamentos, que também perderam no incêndio e estavam passando mal pela falta deles”, observou a subsecretária.

Também há muitas ocorrências de febre, problemas respiratórios causados pela inalação da fumaça produzida pelo incêndio, tratamento de escoriações e troca de curativos de queimaduras leves.

Já nessa quarta-feira (19), teve início, em parceria com o Conselho Regional de Psicologia (CRP-AM), o acompanhamento das pessoas que tiveram suas casas consumidas pelo fogo. Na ocasião, atuaram 15 psicólogos que visitaram os abrigos para dar suporte profissional a essas pessoas, atividade que será contínua, enquanto houver necessidade.

A prefeitura vai manter os atendimentos nos abrigos, diariamente. “Estamos encaminhando médicos clínicos e pediatras. Também já começou a ser feito o acompanhamento psicossocial das vítimas, com o apoio de profissionais de Assistência Social”, finalizou Magaldi.