‘Manaus Mais Limpa’ retira 647 propagandas ilegais da capital

Divulgação.

Com quatro operações realizadas na cidade, o “Manaus Mais Limpa” da Prefeitura de Manaus, que visa a despoluição visual, retirou 647 engenhos publicitários irregulares em quatro ações na capital amazonense.

Nessa quinta-feira (7) foram apreendidos mais 243 engenhos irregulares, entre faixas, galhardetes, cavaletes e lambe-lambes, entre os bairros Adrianópolis e Parque Dez. Nas outras três operações, foram retirados das ruas 404 materiais, durante o mês de janeiro.

O “Manaus Mais Limpa” tem coordenação direta do Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb) e da Ouvidoria e Proteção ao Consumidor (Procon Manaus). Representantes do Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci-AM) também estão atuando na operação, em parceria com órgãos municipais e da Polícia Civil.

As apreensões de material ocorreram entre os bairros Adrianópolis e Parque Dez, pelas avenidas Darcy Vargas, Umberto Calderaro e Tancredo Neves, totalizando 108 faixas, 97 galhardetes, 21 cavaletes e 17 lambe-lambes.

“Ultrapassamos mais de 600 engenhos retirados e vamos manter todas as quintas-feiras, inclusive com atuações de noite e na madrugada, para aumentar a eficiência, conforme determinou o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto. Precisamos do apoio da população para mudar essa cultura e que entendam que, apesar de não parecer, prejudica a todos, porque precisamos ter uma cidade bonita e bem cuidada”, destacou o coordenador do Procon, Rodrigo Guedes.

O Plano Diretor de Manaus, no Código de Posturas (Lei 005/2014), prevê aplicação de infração para a irregularidade, que pode variar de 4UFMs (Unidade Fiscal do Município), no valor de R$ 412,60, até 12 UFMs, totalizando R$ 1.264,80. A UFM hoje está cotada a R$ 105,40. No caso de reincidência, a multa é dobrada.

“A ação é para fazer uma limpeza visual na cidade de Manaus, orientando para retirada e regularização de engenhos, faixas e banners colocados de maneira irregular. E além da orientação, iniciaremos o trabalho de autuação e aplicação de multas”, explica o diretor-presidente do Implurb, Claudio Guenka.

A ação é realizada pelo Gabinete de Gestão Integrada do Município (GGIM), contando com demanda direta do Implurb e Procon Manaus, além das secretarias de Limpeza Pública (Semulsp), Infraestrutura (Seminf), Comunicação (Semcom), Meio Ambiente (Semmas), Casa Militar, Guarda Militar, Manaustrans, Polícia Civil, Delegacia de Meio Ambiente (Dema) e Creci-AM.