Manaus registra aumento de 46 casos confirmados de sarampo; número passou de 271 para 317

O 17° Informativo Epidemiológico de Monitoramento dos Casos de Sarampo, aponta que aumentou para 317 o número de casos confirmados da doença em Manaus. Na semana passada, o informativo indicava a existência de 271 pessoas doentes. Houve um aumento de 46 novos casos confirmados entre o período. Ao todo, foram feitas 2.660 notificações, sendo 118 descartados e 2.225 continuam em investigação aguardando o resultado laboratorial.

Os dados também revelam que o número de registros na faixa etária de 20 a 29 anos vem aumentando, com o registro de 632 do total de notificações (23,8%). No 14º Informativo, divulgado no dia 12 de junho, essa mesma faixa etária registrava 188 casos notificados.

Há ainda registro de aumento no número de casos entre adolescentes e jovens de 15 a 19 anos, que já representam 20,8% das notificações, seguido do grupo de crianças entre um e cinco anos (14,6%).

Por local de residência, os casos de sarampo ainda apresentam maior número na zona Norte, que tem 969 notificações (36,4%). A zona Leste tem 876 casos notificados, a zona Sul apresenta 424, zona Oeste tem 370 e a zona Rural registra 21 casos.

“Os dados no informativo mostram que é preciso continuar reforçando as ações de prevenção ao sarampo com a oferta de vacinação, disponível em 183 salas da vacina para pessoas na faixa etária de seis meses a 49 anos. E a população deve colaborar procurando uma Unidade de Saúde para atualizar o cartão de vacinação”, alerta o secretário municipal de Saúde (Semsa), Marcelo Magaldi.

Primeira morte

Na última quinta-feira (5), o resultado da sorologia realizada pelo Laboratório Central de Saúde Pública do Amazonas (LACEN/AM) confirmou a primeira morte causada por sarampo na cidade. A informação foi divulgada pela Prefeitura de Manaus. A criança de sete meses morreu três dias após apresentar sintomas da doença.

Para conter o avanço da epidemia do sarampo na capital, no dia 3 deste mês, o prefeito Arthur Virgílio Neto decretou “Situação de Emergência” por 180 dias. Outra medida foi o reforço da vacinação nas ruas, onde já estão atuando 120 agentes e mais 140 já foram convocados para atuarem com a imunização em locais de aglomeração, como creches, escolas, shoppings e bairros de casa em casa.