Manaus registra aumento no número de casos de zika, aponta estudo da Semsa

O levantamento foi realizado pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), e consta no 1° Diagnóstico de Infestação do Aedes aegypit de 2022

bairros aedes

Foto: Camila Batista/ Semsa

Entre janeiro e março deste ano, a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) observou aumento no número de casos de zika, passando de 27 para 33 casos notificados em Manaus. No entanto, houve redução nos casos de dengue, passando de 1.853 casos para 607, e chikungunya, reduzindo de 33 para 29 casos. A informação foi confirmada nesta terça-feira (3) após divulgação dos bairros com alto índice de vulnerabilidade da transmissão dessas doenças.

Ao todo, 17 bairros de Manaus apresentam alta vulnerabilidade para dengue, zika e chikungunya, segundo 1° Diagnóstico de Infestação do Aedes aegypit de 2022. Os bairros são: Petrópolis, Japiim e Betânia (zona Sul); Alvorada, Compensa, Redenção, Dom Pedro, Lírio do Vale, Nova Esperança, Planalto e São Jorge (zona Oeste); Cidade Nova e Novo Aleixo (zona Norte); e Jorge Teixeira, São José, Coroado e Armando Mendes (zona Leste).

De acordo com a Semsa, há médio risco para as doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti de 2,2%, permanecendo em médio risco para as doenças transmitidas pelo Aedes (médio risco compreende valores entre 1,0 e 3,9). Relacionado ao diagnóstico de infestação realizado no mês de novembro de 2021, Manaus apresentava um índice de 2,5%.

O diagnóstico de infestação do Aedes também indica os tipos de depósitos encontrados nos imóveis que mais contribuem para a proliferação do mosquito por permitirem o acúmulo de água.

O novo resultado apontou que os recipientes como garrafas, latas e ferro velho, representaram de 37,5% do total; seguido dos depósitos tipo armazenamento de água para consumo ao nível de solo, como tambores, tonéis ou camburões, barris e tinas, representando 25,9%; e de móveis, vasos, frascos com água, pratos e bebedouros, representando 23,1% dos depósitos predominantes.

Menor risco

Além dos 17 bairros de alta vulnerabilidade, Manaus tem 29 classificados como de média vulnerabilidade. Para a realização do diagnóstico da infestação do Aedes Aegypti, a Semsa, por meio de agentes de controle de endemias e agentes comunitários de saúde, realizou a vistoria de 26.502 imóveis selecionados por amostragem nos 63 bairros de Manaus.

(*) Com informações da Assessoria