‘Manaus vira o jogo’, diz Revista IstoÉ sobre a capital amazonense

assessoria de comunicação

 

Usando como título“Manaus vira o jogo”, a revista Isto É destacou, em matéria publicada na edição desta sexta-feira(16), que a capital amazonense obteve sucesso durante o período da pandemia do novo coronavírus, nos aspectos financeiro e fiscal. A publicação nacional indica que as ações da gestão municipal  atingiram o equilíbrio fiscal, garantindo maior poder de investimento em obras públicas e um superávit histórico.

Além disso, o resgate da Previdência colocou Manaus em primeiro lugar no país, atingindo um patrimônio em investimentos saudáveis da ordem de R$ 1,03 bilhão. Entre as medidas tomadas durante a quarentena, a Prefeitura cortou gastos, enviou a maior parte dos servidores para o trabalho em home office e repactuou todos os contratos com corte de 25% na dívida.

“Isso muito me honra. Não deixa de ser um legado que serve de exemplo para gestores de todo o Brasil, mostrando que é possível governar com zelo, com apego às boas práticas, com o pensamento em fazer o melhor pela sua cidade, pelo seu país. Deveria ser a norma, mas é tão excepcional que serve de pauta para os grandes jornais e revistas”, reagiu Arthur Virgílio Neto em suas redes sociais.

O prefeito considera que, de fato, Manaus virou o jogo, já que, no início, o endividamento de mais de R$ 360 milhões e uma capacidade de investimento público que não ultrapassava R$ 250 milhões foram fatores preocupantes para a gestão municipal. “Enfrentamos a mais larga crise econômica da história recente do país, por longos 30 meses, e fizemos o dever de casa, cortando gastos, pagando dívidas, enfrentando os desperdícios para chegarmos ao início do segundo mandato já com uma situação de segurança financeira para realizarmos as grandes obras que Manaus necessita”, disse o prefeito.

Em 2020, com o equilíbrio fiscal assegurado e a Previdência sanada e premiada por sua gestão, a capacidade de investimento superou a casa de R$ 1 bilhão, graças ao bom nome da Prefeitura de Manaus junto às instituições financeiras nacionais e internacionais. “Tínhamos grandes planos e recursos para fazer uma revolução urbana em 2020, mas veio a pandemia da Covid-19 e tivemos que focar nas medidas de proteção às vidas das pessoas e de redução de gastos para fazer frente a uma queda de arrecadação que se avizinhava de forma brutal”, lembrou o prefeito.

Mas, foram necessárias medidas duras para proteger a população e também dar continuidade ao processo de desenvolvimento da cidade. “Fizemos um grande esforço durante o período da pandemia para salvaguardar as pessoas, proteger nossos servidores, sendo um dos primeiros órgãos públicos do país a adotar o home office, reduzir os gastos públicos com cortes e repactuação de contratos, e ainda assim, manter a prefeitura funcionando e as obras acontecendo na cidade, como os complexos viários, as obras de mobilidade urbana, de urbanismo, de esporte e lazer. De fato, Manaus virou o jogo e mesmo com pandemia, estamos fazendo a grande revolução urbana que planejamos”, afirmou.

Outro destaque para a gestão de Arthur Neto foi o seu posicionamento como o grande articulador do movimento “SOS Amazônia”, como a principal voz em defesa da região amazônica, dos índios e das populações tradicionais da floresta, gravemente atingidos pela pandemia. “Fiz e faço o que um bom gestor deve fazer. Exerci o papel do líder que a cidade, o Estado e o país tanto precisavam”, resumiu Arthur Virgílio.