Manifestantes pedem nova eleição em Manaus; TRE se posiciona

Foto: Reprodução

Eleitores e candidatos a vereador e vereadora de Manaus que perderam a eleição, no último domingo, realizaram uma manifestação, nesta quinta-feira (19), em frente ao Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM), questionando a apuração dos votos nas urnas eletrônicas no pleito deste ano. Apesar do protesto pacífico, o TRE disse, em nota, que “não se ganha uma eleição através da ameaça, da incitação à violência”.

Os manifestantes, que começaram o protesto às 7h30, assinaram uma petição que pede o cancelamento das eleições e a realização de nova votação. De acordo com os participantes do ato, o documento foi protocolado no TRE.

Usando roupas nas cores verde e amarela, em alusão à bandeira do Brasil, parte dos candidatos defendeu o voto impresso. No protesto, funcionários da Justiça Eleitoral recolheram uma lista com os nomes dos candidatos que se sentiram prejudicados no primeiro turno.

Em nota assinada pelo presidente da Corte Eleitoral, Aristóteles Lima Thury, o Tribunal informa que, apesar das dificuldades enfrentadas em decorrência da pandemia causada pelo novo coronavírus, a Eleição Municipal de 2020, no Estado do Amazonas, transcorreu normalmente.

O TRE ressaltou na nota que a população amazonense pôde expressar sua livre vontade através do voto, na escolha de prefeitos, vice-prefeitos e vereadores de 61 municípios do interior do Estado.

“Por isso é tão importante reafirmar, neste momento de vitória, que a eventual insatisfação com os resultados das urnas deverá ser debatida exclusivamente através dos meios legais. As manifestações que tenham, por finalidade, questionar o resultado do pleito através da intimidação de autoridades, da ameaça à integridade física de servidores e da depredação do patrimônio público serão apuradas rigorosamente na forma da lei”, diz um trecho da nota.

A nota finaliza com o presidente do Tribunal afirmando que não se ganha uma eleição através da ameaça, da incitação à violência e da demonstração de força. “Não manche a reputação de seu município. Participe do processo democrático como cidadão”, finaliza.