Manifestantes protestam contra a reforma da Previdência em SP

Foto: Patrícia Figueiredo/G1

Um ato contra a reforma da Previdência convocada por centrais sindicais reúne manifestantes na Avenida Paulista, nesta quarta-feira (10), quando a Câmara dos Deputados iniciou a votação do texto-base da reforma.

O grupo se concentrou no vão livre do MASP e a Polícia Militar e a Guarda Civil Metropolitana acompanham o ato. Às 18h, o grupo ocupou parte da faixa exclusiva de ônibus da Avenida Paulista sentido Consolação. Cerca de uma hora depois, fechou os dois sentidos da via. Eles caminham sentido

Além da Central Única dos Trabalhadores (CUT) da Frente Brasil Popular e Frente Povo Sem Medo, participam do protesto ainda militantes do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) e da Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB).

Eles exibem faixas e cartazes contra a reforma da Previdência e o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Líderes sindicais discursam em um carro de som.

Os organizadores afirmam que a reforma da Previdência vai tirar direitos dos trabalhadores e distribuem folhetos com as principais mudanças propostas no texto que está sendo votado no Congresso nesta quarta-feira. Um dos pontos mais criticados é a mudança da idade mínima. Os manifestantes também seguram cartazes contra os cortes no orçamento da educação e pela liberdade do ex-presidente Lula.

Segundo os organizadores, o ato é “pelo direito dos brasileiro pobres de envelhecerem sem serem humilhados e viverem de esmolas nas ruas”.

A organização ainda não possui estimativa da quantidade de pessoas no local. A Policia Militar de São Paulo não divulga estimativa de público.