Marcelo acusa prefeito de tiros em comício, mas era assalto a ônibus

assaltantes-de-onibusO candidato Marcelo Ramos usou sua página pessoal do Facebook na noite de segunda-feira para acusar o prefeito e candidato à reeleição, Artur Neto, de provocar confusão em um comício no Terra Nova, na zona Norte. Ele chegou a dizer que o adversário estava desesperado. Horas depois veio a constatação: o que aconteceu foi um assalto a ônibus, que acabou com dois homens presos, boletim de ocorrência registrado e dinheiro apreendido. Mais uma vez, Marcelo meteu os pés pelas mãos.

A confusão começou a ser divulgada ontem pela internet. O DJ Kleber Romão, que teve 900 votos para vereador e é a da coligação de Marcelo, postou que com o que aconteceu no Terra Nova, Marcelo ganharia as eleições. Minutos depois, a página ‘No Amazonas é Assim’ publicou que tiros foram disparados no comício como represália.

Marcelo foi além em sua página pessoal. “O desespero do meu adversário não tem limites. Partiu para agressões e ameaças nos nossos comícios. Militantes foram contratados para atacar pessoas e tentar gerar confusão. Somos vítimas de uma campanha cheia de ódio”, postou ele. Logo em seguida, militantes de Marcelo disseminaram a versão do candidato como sendo verdadeira.

Pouco tempo depois, a versão de Marcelo caiu por terra. A Polícia Militar apresentou dois homens que foram presos por assalto a ônibus. “Foi um roubo na linha 307. Eles desceram em frente ao comício e se evadiram. Neste momento houve tumulto e posteriormente pegamos um deles com uma faca e dinheiro da renda do ônibus. Pessoal está colocando a culpa na política”, disse o tenente Kayo César.

Mais uma vez, Marcelo mostra que não tem equilíbrio para ser prefeito de Manaus.

Texto e fotos: Assessoria do candidato

BOLETIM DE OCORRÊNCIA