Mário Bastos visita nove localidades e identifica situação difícil nos ramais

Nove localidades de três municípios da mesorregião central do Amazonas (Careiro da Várzea, Careiro Castanho e Manaquiri) foram visitadas pelo “Gabinete Itinerante” do deputado estadual Mário Bastos (PSD) durante o feriadão do Carnaval, para coleta das demandas das populações locais. O “Gabinete Itinerante” é um projeto criado por Mário Bastos em que ele vai pessoalmente às comunidades para identificar as necessidades imediatas de cada uma e, posteriormente, transformá-las em leis ou requerimentos aos órgãos públicos para que sejam atendidas.

Mário Bastos teve reuniões na Comunidade São Pedro, Comunidade de São José, Comunidade Santo Antônio do Jurará, Comunidade Divino Espírito Santo, Comunidade Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Assentamento PA Panelão, Ramal do Mamori, Ramal do Batatinha, Ramal do Brasil e Ramal do Limão.
“Na maioria dessas comunidades”, disse o parlamentar, “a necessidades são basicamente as mesmas: péssimas condições de infraestrutura das estradas, incluindo falta de iluminação; também faltam remédios e postos de saúde nas comunidades e ambulanchas”, enumerou ele.

De acordo com Mário Bastos, no segmento da Educação, as demandas são tão amplas que vão desde o básico da merenda escolar, até a facilitação de acesso a cursos superiores oferecidos pela Universidade Estadual do Amazonas (UEA). “A carência é quase completa. O aparelho do Estado precisa chegar o mais rapidamente possível a esses locais”, apontou Mário Bastos, completando que vai levar o relatório completo do “Gabinete Itinerante” ao governador Amazonino Mendes, para solicitar atendimento das demandas.

O deputado citou a Comunidade São José como uma das mais carentes e o Ramal do Limão como um dos que está em piores condições. “O ramal foi asfaltado apenas no meio, não em sua largura toda. Isso cria uma série de problemas desde a fragilização da pavimentação até a falta de escoamento da produção desses produtores rurais”, lembrou ele, destacando que “isso (estrada mal asfaltada) é dinheiro público jogado fora”.