Maus Caminhos: Mouhamad e empresário têm prisão preventiva decretada pela Justiça

O médico Mouhamad Moustafa teve a prisão preventiva decretada pela Justiça Federal, nesta sexta-feira (7). A decisão atende pedido do Ministério Público Federal (MPF) no Amazonas e atinge, ainda, o empresário Gilberto de Souza Aguiar. Os dois que são réus na Operação Maus Caminhos, descumpriram decisão judicial que proibia a comunicação entre eles.

Por conta disso, a Justiça também determinou a busca e apreensão do celular de Mouhamad e das imagens de segurança interna de sua residência para análise pericial. A suspeita é de que ele recebeu informações sigilosas sobre a Operação Cashback de Gilberto, antes mesmo da execução das medidas.

De acordo com investigações da Polícia Federal, há indícios de comunicação entre os réus, por meio de uma reunião realizada no dia 26 de setembro deste ano na residência de Mouhamad, que deu instruções por mensagens de áudio, para que Gilberto estacionasse seu carro em um centro comercial, ao lado oposto do condomínio onde reside.

Segundo a polícia, no local, Mouhamad enviaria um funcionário para buscar Gilberto, com o intuito de evitar eventuais registros na portaria do condomínio.

A investigação também aponta que diálogos entre Gilberto e sua esposa demonstram que ele e outros empresários envolvidos na Operação Cashback tinham conhecimento prévio das ações policiais. A Cashbak é desdobramento da Maus Caminhos, que revelou em 2016, o desviou de mais de R$ 120 milhões em recursos da saúde do Amazonas.

Réus

O médico e empresário Mouhamad Moustafa, apontado como líder da complexa organização criminosa é réu em 45 ações penais e 37 ações de improbidade administrativa. Já Gilberto de Souza Aguiar é réu em cinco ações penais e quatro ações de improbidade administrativa.

Com informações da assessoria do MPF.