Médico responsável por exames do barco “Todos pela Vida” disse não saber valor unitário dos exames

Foto: Reprodução

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde ouviu, nesta terça-feira (4), o médico João Carlos dos Santos, responsável por fazer atendimentos em mulheres do interior do Amazonas pela empresa Norte Serviços Médicos LTDA. Segundo o médico, no total foram realizados 99 procedimentos de conização e colposcopia.

“Foram 40 em Envira, 47 em Ipixuna, Guajará 12, e em alguns casos são realizados mais de um procedimento em uma mesma pessoa”, disse João Carlos.

Ainda segundo o médico, foram realizados, no barco “Todos Pela Vida”, 13 conizações. O presidente da comissão delegado Péricles, questionou o motivo do médico ter cobrado através de processo indenizatório o total de 91 procedimentos de Biópsia, Coposcopia e Conização. Em resposta, o depoente disse apenas “não sei”.

“Já conseguimos entender quem pagou e já conseguimos várias informações, mas não conseguimos entender como chegou a esse custo unitário de R$ 8.680,00 por paciente” questionou o deputado Wilker Barreto.

O parlamentar também afirmou que é quase impossível a Susam trabalhar com uma ação dessa natureza sem se atentar ao custo unitário e apontou que o ocorrido é mais afrontoso do que a loja de vinhos.

“Um serviço de R$ 60 mil reais foi cobrado pelo valor de quase R$900 mil, na cara dura, como se fosse a casa da mãe Joana”, finalizou.

Contratação dos serviços

A advogada do médico ressaltou que o contrato foi negociado com a representante da empresa Roseane Peixoto. Além disso, o médico revelou ter conversado com ela recentemente e descobriu que a mesma está afastada da empresa há 8 meses.

“Não houve conversa em escritório, somente por telefone. O contrato foi assassinado apenas por mim e por ela após minha secretária coletar nossos dados”, finalizou