Medida protetiva proibia que juíza e ex tivessem qualquer tipo de contato

Reprodução

Uma medida protetiva garantia à juíza Viviane Vieira do Amaral Arronenzi, de 45 anos, morta a facadas na véspera de Natal pelo ex-marido, o afastamento do assassino, o engenheiro Paulo José Arronenzi, de 52. Há três meses, o Juizado de Violência Doméstica de Niterói proibiu o contato pessoal entre eles ou por meio de qualquer meio de comunicação. A decisão da Justiça também impedia que o engenheiro frequentasse a casa da magistrada.

A medida foi determinada em 15 de setembro, menos de 24 horas depois do pedido feito por Viviane, na 77ª DP (Icaraí), informou o jornal Extra. Na ocasião, ela registrou uma ocorrência contra o ex-marido por ameaça e lesão corporal, no âmbito da violência doméstica, e informou na delegacia ter caído no chão após um empurrão, lesionando a coxa direita. Ela admitiu que o então marido tinha “gênio explosivo”, mas negou que a tivesse agredido anteriormente.

A briga ocorreu logo depois de Viviane comunicá-lo sobre a decisão de terminar o relacionamento do casal. Para a juíza, ele aceitara bem a notícia.

Ela chegou a dar uma carona da Gávea, zona sul do Rio, a Icaraí, em Niterói, ao engenheiro, que, dentro do carro, no entanto, demonstrou estar “enfurecido” e “destemperado”. Isso fez com que a juíza desisitisse de pegar as filhas na casa da mãe e levá-las com ele ao Campo de São Bento, como haviam inicialmente combinado. Ao chegar ao prédio, Paulo forçou a entrada, passando pelo porteiro sem autorização, e empurrou a magistrada.

No primeiro termo de declaração, a magistrada disse que não desejaria pedir medidas protetivas da Lei Maria da Penha. Cinco horas depois, retornou à delegacia para contar que Paulo voltou à casa de sua mãe, jogou todas as roupas dela pelas grades do condomínio e prometeu: “Isso não vai ficar assim! Eu vou te matar”.

Viviane repetiu que não desejava que o engenheiro fosse preso, mas, dessa vez, requereu a adoção das medidas protetivas, ainda segundo o jornal Extra. No dia 17 de outubro, ela solicitou escolta ao Tribunal de Justiça, dispensada em 24 de novembro pela magistrada por razões pessoais.