Melo conta que renovou contrato com a Umanizzare, o que teria sido “acertado” com MPE e TCE

Em resposta a questionamento do Radar sobre o fato do Governo do Estado continuar pagando a gestora de presídios no Amazonas, a Umanizzare, mesmo tendo dito, em entrevista à imprensa, durante os motins, que a segurança interna dos presídios era responsabilidade da empresa, Melo desdisse o que tinha falado anteriormente e assumiu discurso em defesa da empresa ao afirmar: “Eu nunca apontei erros da Umanizzare”. O governador classificou a Umanizzare como “o modelo que sustenta as nossas penitenciárias” e acabou contando que prorrogou por mais um ano o contrato com a empresa, o que teria sido “acertado” com o Ministério Público do Estado (MPE-AM) e com o Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM).

“Veja bem, eu me referia aos agentes carcerários – era exatamente do que a gente estava falando, né mesmo!  O governador acrescentou, num discurso meio embolado e sem explicar muita coisa: “Eu disse que, se alguma coisa tinha e que não deveria de haver, dentro das penitenciárias, havia falha de muita gente, uma delas era do pessoal do sistema carcerário”.

A principal falha apontada por Melo remete a culpa para a PM. “E disse também que havia uma falha enorme das nossas policias, porque no dia que houve aquela tragédia tinha que ter, pelo menos, 20 ou 30 soldados da Polícia Militar em torno daquela penitenciária e tinha só quatro”, argumentou o governador.

O Radar insistiu em perguntar: “Então, o senhor vai continuar pagando a Umanizzare? Num rompante, Melo diz que não, mas acaba é contando que até já renovou contrato com a Umanizzare. “Não, eu não vou continuar pagando ninguém. A Umanizzare é o modelo que sustenta as nossas penitenciárias. Eu acertei com o Ministério Público, com o Tribunal de Contas, com os órgãos do controle externo, que nós vamos fazer um (sic) nova licitação para aprimorar o sistema e disse a eles também que não tenho, pra pronta entrega, um modelo que possa continuar controlando a coisa mais horrorosa que eu conheço na minha vida que é o sistema penitenciário”, disse em tom de irritação.

Ele afirma que “acertou” com o MPE e TCE  a prorrogação de contrato com a Umanizzare e que, só depois, fará “uma licitação internacional”, mas tão somente para “aprimorar” o sistema.

“O sistema não é ruim, ele é melhor e ele é mais barato que os outros sistemas que o Brasil tem. Ele precisa só ser aprimorado”, defende o governador. (Any Margareth)