Anúncio Advertisement

Menos da metade das grávidas se vacinou contra H1N1 em Manaus

Até essa terça-feira (26), das 29.702 grávidas estimadas, segundo registros da rede pública de saúde, apenas 9.251 já tomaram a vacina contra a Influenza (vírus H1N1) em Manaus. O número representa 31,15% do grupo que faz parte do público-alvo para imunização. Os dados são do Informe Epidemiológico das Síndromes Respiratórias Agudas Graves (SRAG), divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa).

Por conta da baixa procura das gestantes às unidades de Saúde, a Semsa alerta às grávidas, em qualquer período da gestação, que procurem a sala de vacina mais próxima para receberem a vacina contra o H1N1.

“Ao se vacinar, a futura mamãe evita a gripe e suas complicações. Quando recebe a dose da vacina, a mãe diminui, inclusive, a probabilidade de parto prematuro, uma situação que coloca a ela e ao filho em risco. Os anticorpos produzidos pelo organismo da mãe, a partir da vacinação, passam para o feto através da placenta. Em outras palavras, a proteção contra a gripe vai se estender para o filho, daí a importância de se vacinar”, destaca o secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi.

Segundo o boletim, a Semsa já vacinou 212.096 pessoas dos grupos de risco preconizados pelo Ministério da Saúde (MS). Esse número representa 46,71% das 455.083 doses previstas para serem aplicadas na capital amazonense. Os idosos permanecem como o grupo de maior imunização – 57,27% do esperado. Do total de crianças dos seis meses a menores de seis anos, 82.189 já estão vacinadas, ou seja, 42,88% do grupo.

O Informe indica, ainda, que desde o surgimento dos casos, em Manaus, houve 717 notificações de Síndrome Respiratória Aguda Grava (SRAG), das quais 99 foram confirmados para Influenza, 134 por Vírus Sincicial Respiratório (VRS) e nove por outros vírus respiratórios. Ainda seguem em investigação 475 casos.

Desde o último domingo (24), o número de óbitos se manteve inalterado na capital, sendo 24 por Influenza; 11 por Vírus Sincicial Respiratório; 13 casos de SRAG por outro agente etiológico e/ou não especificado; e um por outros vírus respiratórios.