Mesmo com o aumento expressivo dos casos de Covid-19, David Reis antecipa retorno ao trabalho na CMM e na forma presencial  

Foto: Robervaldo Rocha – Diretoria de Comunucação da CMM

Foto: Robervaldo Rocha – Diretoria de Comunicação da CMM

Na contramão das decisões que têm sido tomadas por outros gestores públicos diante do aumento expressivo dos casos de Covid-19, o presidente da Câmara Municipal de Manaus (CMM), David Reis, decidiu foi antecipar o retorno aos trabalhos na Casa Legislativa, do dia 7 para 2 de fevereiro e ainda na forma presencial. Regimentalmente, o início do ano legislativo se daria apenas no dia 7 de fevereiro. No primeiro dia de trabalhos da CMM, é quando o prefeito faz a leitura da mensagem governamental, destacando diretrizes e metas do Executivo para o novo ano.

Em outros órgãos públicos, como por exemplo no Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCEAM) e o Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) o trabalho presencial voltou a ser suspenso e as atividades voltaram a ser online. Essa decisão foi tomada após o registro de mais de três mil casos detectados de Covid-19 em apenas um dia.

Na outra Casa Legislativa do Estado, ou seja, na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), a decisão foi se acautelar diante do boom de novos casos de Covid-19, inclusive com o aumento da taxa de ocupação de leitos em hospitais públicos e privados, implantando o sistema de escala de trabalho, com o rodízio de grupos de servidores em trabalhos presenciais, enquanto outros ficam em home office, para evitar aglomeração e o aumento das infecções pela nova cepa do coronavírus, ômicron.

Contradição

O discurso do presidente da CMM, David Reis, é totalmente contraditório. No release enviado aos veículos de comunicação, nesta terça-feira (18), ele aponta exatamente “o agravamento do quadro da pandemia da Covid-19 e das fortes chuvas que têm atingido Manaus neste período de inverno amazônico”, para diminuir o tempo de recesso da Casa Legislativa e fazer os servidores voltarem ao trabalho presencial.

A contradição é tamanha, que David Reis, ao mesmo tempo que determina o retorno ao trabalho, destaca que a atual cepa do coronavírus, a Ômicron, que está se espalhando descontroladamente pelo Amazonas e pelo País é “uma nova variante, muito mais transmissível”.

Os únicos que poderão escolher se vão presencialmente às reuniões plenárias ou se participam de forma virtual são os parlamentares da Casa Legislativa – sistema híbrido. Está escrito no release: “como anunciado no início desta semana, David Reis, conjuntamente com a mesa diretora da Casa, deliberou a manutenção do regime híbrido para a atuação dos vereadores, no plenário e nas comissões, ou seja, de forma presencial ou virtual (pela internet)”.

Uma outra exceção a regra geral criada por David Reis de reduzir o tempo de recesso da Casa Legislativa com o retorno de trabalhos presenciais é para os “servidores com comorbidade e com mais de 60 anos de idade que passam a trabalhar em home office, medida que será estendida e administrada por cada setor”.

Com relação ao público externo, a CMM também restringirá a quantidade de visitantes nas dependências da Casa legislativa, além de exigir o cartão de vacinação.

Nas entrelinhas, o presidente do Legislativo municipal, David Reis, faz entender como se sua decisão seguisse uma orientação do seu líder político, o chefe do Executivo municipal, seu homônimo David Almeida, ambos do mesmo partido, o Avante.

David Reis destaca uma “união com a prefeitura e demais autoridades”, segundo ele para “o enfrentamento da pandemia da Covid-19”, enfrentamento este que na escala de valores do vereador-presidente parece não estar, primeiramente, tomar as urgentes e necessárias medidas sanitárias para proteger os servidores municipais. É mais urgente, pelo que tudo indica, a aprovação de matérias de interesse do Executivo.