Mesmo de forma velada, ex-líder de Amazonino ameaça enquadrar deputada eleita que não quer votar no Belão 

Fazendo pose de quem manda mais que o presidente regional do PP, que é de fato e de direito o empresário Francisco Garcia, e numa atitude nada republicana e pra lá de machista, o ex-líder do ex-governador Amazonino Mendes (PDT) na Assembleia Legislativa do Estado (Aleam), deputado Dermilson Chagas (PP) enviou à imprensa uma release onde deixa claro que todos os deputados do partido são obrigados a votar para a presidência da Casa Legislativa no deputado Belarmino Lins, o Belão, membro da bancada governista de Amazonino na Assembleia.

Belarmino Lins fez parte do arco de alianças do ex-governador na tentativa de reeleição. Fica visível no texto que quem está na mira de Dermilson Chagas é a deputada mais votada do pleito passado, a vice-prefeita de Coari, Mayara Pinheiro, eleita com mais de 50 mil votos.

Num aviso em forma de ameaça de enquadramento partidário, Dermilson Chagas garante que “o Partido Progressista (PP), vai se reunir até sexta-feira (11) desta semana para fechar questão no apoio à candidatura do deputado Belarmino Lins à presidência da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam) para o biênio 2019/2020”.

Dermilson faz questão de ressaltar que a reunião “constará em ata” e “convalidará um acerto” que, diz ele, teria ocorrido há cerca de um mês durante um encontro com o presidente regional da sigla, empresário Francisco Garcia –  alguém pode me explicar porque não é o presidente do partido que está falando? E pra quê constar a reunião em ata? Desde quando existe infidelidade partidária em eleição da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa?

Fazem parte da ala masculina do PP, além do próprio Belão que é candidato, o deputado Dermilson Chagas e o ex-vereador e deputado eleito, Álvaro Campêlo, que também está apoiando Belão. O único membro da ala feminina do PP no Parlamento estadual é Mayara Pinheiro que tem destoada da macharada e tem manifestado apoio a Josué Neto, assim como as deputadas de outros partidos, como Alessandra Campêlo (MDB), Terezinha Ruiz (PSDB) e Joana D’arc (PR) mas que, bem diferente do que está ocorrendo no PP, tiveram suas opiniões e decisões respeitadas pelos dirigentes de seus respectivos partidos.

Assumindo o estilo da velha política de passar como um trator por cima de colegas de Parlamento quando era líder do Governo e de fazer o que fosse pra vencer uma discussão, Dermilson Chagas acusa o adversário do seu candidato (Belão), o deputado Josué Neto (PSD), de “fazer baixarias, plantando fake news na imprensa” – aqui no Radar não tá deputado? Aqui tem assinatura e DNA de euzinha – mas logo depois parte para as ofensas contra a família do deputado Josué Neto, visivelmente querendo atingir o pai de Josué Neto que é conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Mas logo depois assume ares de bom moço, dizendo estar fazendo um “apelo ao bom senso, paz e respeito”. É aquela velha estratégia do morcego que ferra e assopra, achando que todo mundo é passarinho, indefeso e ingênuo.

Mas no caso da deputada Mayara, a passarinha teve muito mais voto que o morcego, e mexeu com uma, mexeu com todas, tá deputado!