Mesmo diante de pressões do Governo e debaixo de chuva forte, professores em greve vão às ruas (ver vídeos)

Os professores e demais servidores da área de Educação no Amazonas não recuaram mesmo diante de pressões do Governo de Estado que conseguiu, inclusive, que o Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas (TJAM) – ler desembargador Elci Simões – concedesse liminar tornando ilegal a greve dos professores. A chuva forte que durou toda a manha dessa segunda-feira (15) também não esfriou o ânimo da categoria. Uma multidão de servidores da área de educação do Estado tomou conta das ruas do centro da cidade.

A concentração foi na Praça Heliodoro Balbi, mais conhecida como Praça da Polícia e, de lá, os professores saíram em caminhada pelas ruas do centro de Manaus até à Praça da Matriz, onde aconteceu a manifestação que marcou o início da greve, decidida em assembleias realizadas na última sexta-feira.

Os professores se recusam em aceitar menos de 4% de data-base, única proposta feita pelo Governo do Estado. Eles pedem 15% de reajuste salarial, mas têm dito que estão dispostos a negociar com o Executivo e chegar um consenso. Porém, o governo brecou qualquer tipo de negociação e se recusou a fazer uma contraproposta.

Diante do impasse, os professores decidiram em assembleia geral que entrariam em greve nesta segunda-feira (15)