Mesmo lembrando que TRE manteve a cassação de Melo por unanimidade, Socorro Guedes mantém governador no cargo (ver vídeo)

O início da entrevista coletiva à imprensa da presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM), desembargadora Socorro Guedes, nesta segunda-feira, às 17hs, proclamando sua decisão monocrática sobre o pedido de cumprimento imediato do Acórdão feito pelo senador licenciado e ministro das Minas e Energia, Eduardo Braga (PMDB), deu até a impressão passageira de que o governador José Melo (PROS) seria retirado imediatamente do cargo após ser cassado por conduta vedada a agente público e compra de votos. As primeiras palavras ditas por Socorro Guedes foram para lembrar que o governador teve seu mandato cassado por 5 votos a favor da cassação e apenas um contra, e depois os embargos de declaração (recursos para rever a decisão) rejeitados e mantida a cassação por unanimidade, 6 votos a zero.

A presidente da Corte de Justiça Eleitoral disse entender que “alternância do poder Executivo, nesse momento, traz insegurança, intranquilidade e descontinuidade dos serviços públicos” – não dá, gente, pra não notar a coincidência (?) da alegação de “insegurança e intranquilidade administrativa na alternância de poder” pela desembargadora ser igualzinha a manchete de um dos principais jornais locais. (ver vídeo)