Mesmo sem um copo d’água do Governo, eles trouxeram duas medalhas para o Amazonas (ver vídeo)

Mesmo sem receber qualquer tipo de apoio do Governo do Estado e da Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel) – enquanto isso eles bajulam o Romário – com passagens aéreas e nem sequer com um copo d’água, os paratletas Lucas Manoel Santos, 16, e Vitor Afonso Santos, 20, foram medalhistas de ouro e bronze no Campeonato Mundial de Halterofilismo, modalidade Para Powerlifiting, categoria Júnior. A competição internacional aconteceu no último sábado (2), no Ginásio Olímpico Juan de la Barrera, na Cidade do México.

Em entrevista concedida ao RADAR, os medalhistas promissores lamentaram a falta de apoio por parte do Governo e fizeram um apelo pelo reconhecimento do esporte e da conquista que eles tiveram. A entrevista foi concedida, nessa terça-feira (5), na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), onde os paratletas foram homenageados.

De acordo com Vitor Afonso, da categoria até 107 quilos, ele vai continuar treinando para alcançar o objetivo de ir para uma paraolimpíada, pois, ele ressaltou que espera que as suas conquistas façam com que o Estado invista no esporte paraolímpico e não deixem os atletas desamparados. “Espero que seja reconhecida essa medalha e que possamos chegar mais longe, como em uma paraolimpíada. Seria muito emocionante ter um amazonense representando o Estado em 2020. Vou continuar treinando para isso, mas espero que o Governo nos ajude”, disse o atleta.

Conforme Lucas Manoel, que disputou na categoria até 49 quilos, o Governo do Estado não comprou as passagens aéreas e nem deu qualquer ajuda. Ao ser questionado sobre como eles conseguiram chegar a competição internacional, o jovem atleta afirmou que o único apoio recebido foi da Confederação Brasileira de Levantamento de Peso, que arcou com o custo das passagens aéreas.

A deputada Alessandra Campelo (PMDB), que abriu as portas da Assembleia Legislativa para os paratletas, criticou a falta de investimento no esporte e nos esportistas amazonenses. “Eles orgulham muito o Estado, mas precisam de reconhecimento do Governo e da Prefeitura. Eles não estão recebendo Bolsa-Atleta, não estão recebendo ajuda em passagens aéreas, não estão recebendo ajuda em suplementos e os equipamentos de treino estão defasados. Mesmo assim os paratletas estão conseguindo grandes resultados, até mesmo em Mundiais como é o caso do Lucas e do Vitor”, comentou Alessandra.

Foto: Erik Oliveira