Messi faz dois gols, alcança Neymar na artilharia e Argentina bate Nigéria

messi--reu2_1Somente uma hora de Messi, e para que mais? Na comemoração atrasada do aniversário de 27 anos, o craque voltou a brilhar, deu à Argentina o primeiro lugar no Grupo F da Copa do Mundo e descansou. De brinde, empatou com Neymar na artilharia do Mundial. Diante de uma multidão de argentinos que invadiu Porto Alegre, Leo fez dois gols, arrancou, driblou, armou e foi o destaque da vitória por 3 a 2 sobre a Nigéria, nesta quarta-feira, no Beira-Rio, no encerramento da primeira fase. Aos 17 do segundo tempo, saiu de campo ovacionado para dar lugar a Ricky Alvarez e se poupar visando às oitavas de final. Rojo marcou o terceiro dos hermanos.

Em meio à empolgação, um alerta: os dois gols de Musa para os nigerianos deixaram claro a fragilidade da defesa argentina. Da linha de quatro, apenas o herói Rojo faz bom Mundial, enquanto Garay, Fede e Zabaleta dão espaços e exibem exageradas doses de insegurança. No ataque, Lavezzi substituiu um lesionado Agüero ainda no primeiro tempo e despontou como boa opção. Di María teve sua melhor atuação na Copa, enquanto Higuaín, apesar da luta e maior movimentação, decepcionou mais uma vez.

A Nigéria, que perdeu para Argentina pela quarta vez nos últimos seis Mundiais, também não tem do que reclamar. Com quatro pontos, contou com a ajuda da Bósnia, que venceu o Irã, e avançou para as oitavas de final. Ambos aguardam a definição do Grupo E para saberem quem enfrentam: França, Suíça, Equador e até Honduras estão na briga. Já se sabe, no entanto, que os hermanos jogam terça-feira, às 13h (de Brasília), na Arena Corinthians, em São Paulo, enquanto os africanos vão ao Mané Garrincha, em Brasília, um dia antes.

Toca para o Messi que é gol

Messi. Uma palavra por si só poderia resumir o primeiro tempo da partida no Beira-Rio. A Argentina jogou melhor do que nos últimos jogos, é verdade. A Nigéria também mostrou seu valor com uma tática clara de explorar os espaços na frágil defesa argentina, não dá para negar. Mas é difícil mudar o assunto quando se tem Messi em campo. Mais do que isso, quando se tem um Messi sedento pelo protagonismo. Aniversariante da véspera, o craque recebeu uma multidão de compatriotas em Porto Alegre e comemorou da maneira que mais gosta: fazendo gols.

O relógio apontava pouco mais de dois minutos quando Mascherano encontrou o espaço que tanto faltou diante do Irã. Com um lindo tapa na bola, o volante deixou Di María em boa condição. O jogador do Real Madrid invadiu a área e chutou forte. Enyeama fez boa defesa, mas a bola tocou na trave e sobrou à feição logo para Lionel Messi. Não havia o que fazer. O craque encheu o pé e fez o Beira-Rio explodir. Não demorou muito, porém, para que os argentinos tomassem um banho de realidade: a euforia com o ataque é proporcional à preocupação com a defesa.

Já aos três minutos, os nigerianos aproveitaram a lentidão de Gago no meio-de-campo para puxar um contra-ataque. Como tinha acontecido contra a Bósnia e o Irã, Zabaleta deu espaços às suas costas, onde Musa recebeu, limpou para direita e acertou bonito chute. Romero chegou na bola, mas não conseguiu impedir o gol. Começo de jogo avassalador. A Argentina, por sua vez, era senhora da partida e administrava melhor a posse de bola do que nas rodadas anteriores.

Com maior movimentação, os homens de frente encontravam espaços. Higuaín saía da área e tabelava com facilidade, Di María arrancava e chutava de fora da área. Messi se mexia de tudo quanto é lado, mas Agüero decepcionava. Apático, pouco apareceu, até que caiu em campo queixando-se de uma lesão e deu lugar a Lavezzi. O quadrado mágico virava losango, com o Pocho aberto pela direita e Pipita mais centralizado. Já a Nigéria marcava no campo de defesa e preparava o bote nas costas da defesa. O passe, por sua vez, não era bom.

Em Salvador, a Bósnia abriu vantagem sobre o Irã, e o empate era ótimo para os dois em Porto Alegre: a Argentina era líder, e a Nigéria já tinha a vaga nas oitavas quase garantida. A partida passou a ficar monótona, mas Messi e Di María não queriam que fosse assim. Primeiro, Angelito chutou de fora para boa defesa de Enyeama. Pouco depois, foi o camisa 10 que cobrou falta no ângulo e parou no goleiro. Aos 46, porém, não teve perdão. Messi arrancou, driblou dois e foi derrubado. Nova oportunidade, chute colocado no ângulo e festa: 2 a 1 no Beira-Rio. Na Copa, 4 a 4 entre Messi e Neymar.

Defesas vacilam, Argentina vence, e Messi descansa

Na volta do intervalo, os papéis se inverteram em relação à primeira etapa. Foi a Nigéria que logo fez seu gol, mas recebeu o troco praticamente no ataque seguinte. Aos dois minutos, Musa mais uma vez evidenciou a fragilidade da defesa da Argentina. O atacante fez boa tabela com Emenike em cima de Garay, bateu Fede Fernandez sem maiores problemas e deslocou Romero. Igualdade no placar, e igualdade entre Musa e Messi. Mais dois minutos se passaram, e os hermanos voltaram a ficar à frente. Lavezzi cobrou escanteio, a defesa nigeriana mostrou que também sabe falhar, e Rojo escorou no segundo pau.

Imparável pelos lados do campo, Lavezzi era quem mantinha a Argentina acesa. Já Messi dava o toque de genialidade. Como armador, o craque deixou Higuaín em boa condição para finalizar, mas Pipita parou em Enyeama. O atacante do Napoli tentava de tudo quanto é jeito acabar com o jejum de gols. A ansiedade, por sua vez, era nítida e as finalizações sem precisão. Na arquibancada, a torcida, que ficou quase todo o primeiro tempo calada, começou a festejar. O repertório vasto de canções passou a ser entoado, até que veio o banho de água fria: Messi deixou o campo.

Com a primeira colocação do grupo praticamente assegurada, Alejandro Sabella pouco se importou com o show, pouco se importou com a festa, e já mirou as oitavas de final. Ovacionado, o craque deu lugar a Ricky Alvarez aos 17. A Argentina perdeu qualidade e intensidade. A partida perdeu muito da graça. Com a vitória da Bósnia sobre o Irã, a Nigéria também não forçava muito e parecia que somente Lavezzi e Di María queriam jogar. Em linda jogada ensaiada em cobrança de falta, Pocho quase marcou o quarto. Merecia pelo que fez na partida.

Os minutos finais do jogo do Beira-Rio foram sem graça, monótonos em campo. Se era assim, a torcida resolveu se divertir. De um lado, os argentinos cantavam que Maradona é maior que Pelé. Do outro, os brasileiros respondiam com gritos de pentacampeão. A disputa ganhou seu terceiro capítulo nas arquibancadas. Em campo, só depois de mais três jogos. Líderes de seus grupos, Brasil e Argentina só se enfrentam em uma possível final, dia 13 de julho, no Maracanã. Até lá, a disputa segue no grito, segue entre Messi e Neymar.

Fonte: GE