Metalúrgicos do ABC Paulista ameaçam greve por aumento

Os metalúrgicos do ABC Paulista podem entrar em greve por reajuste salarial. Ao todo, 50 mil trabalhadores das fábricas da região rejeitaram, na quarta-feira (3), a proposta de aumento salarial das empresas, de 3,64%, que é a reposição da inflação medida pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) do período. A data-base é 1º de setembro.

A negociação envolve 162 mil metalúrgicos no estado, representados pela FEM-CUT (Federação dos Sindicatos de Metalúrgicos da CUT-SP).

De acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, os trabalhadores querem aumento acima da inflação, além da manutenção das cláusulas sociais da convenção coletiva atual.

A entidade afirma que os patrões querem rever metade das cláusulas, entre elas direitos como a licença-maternidade de seis meses. Outros pontos que poderiam ser retirados, pela proposta, é a garantia de pagamento do salário até o dia 5 de cada mês e o complemento salarial por 120 dias ao trabalhador que se afasta pelo INSS por mais de 15 dias.

Para o presidente do sindicato, Wagner Santana, o comportamento dos patrões reflete o ambiente criado após a aprovação da reforma trabalhista. “Agora respaldados pela reforma, eles querem retirar das convenções coletivas direitos assegurados há anos, depois de muita luta. O nosso posicionamento é pela reposição da inflação, pelo aumento real e pelas cláusulas sociais, que são extremamente importantes.”A Fiesp (federação das indústrias) irá se manifestar nesta sexta (5).

Fonte: Folhapress.