Milhões para a máfia do Transporte Coletivo de Manaus, diz deputado

Milhões para Máfia do Transporte Coletivo

A atual administração municipal foi alvo de várias críticas ontem, por parte dos deputados estaduais, José Ricardo Wendling (PT), e Marcos Rotta (PMDB). Tudo começou por causa do provável reajuste da tarifa do transporte coletivo que na opinião dos parlamentares beneficia somente os empresários do setor, sem levar em consideração um serviço de péssima qualidade com ônibus velhos, sujos, que demoram horas pra passar e ainda uma tarifa maior do que a de Curitiba, de R$ 2,60 (dois reais e sessenta centavos), cidade que tem a “maior e mais nova frota de ônibus do País”.

José Ricardo disse que o atual prefeito está agindo igualmente seu antecessor, Amazonino Mendes, quando não traz a público as informações sobre a planilha de custos do transporte coletivo e toma uma decisão, logo no início de seu Governo, apenas para “agradar os empresários”. Marcos Rotta chamou de “mafia” o que ocorre, hoje, no transporte coletivo e conclamou seus colegas de Parlamento, e o Governo do Estado, a reverem a isenção de impostos que foi dada aos empresários do setor, para que houve a contrapartida de redução no preço da tarifa. “Fomos nós que aprovamos aqui a isenção de impostos pra eles (empresários). Quantos milhões deixaram de entrar nos cofres públicos para alimentar a máfia do transporte coletivo?”, questionou o parlamentar.