Ministério da Saúde reforça campanha para incentivar doação de sangue

Ampliar a doação de sangue no país, sensibilizando novos doadores. Esse é o objetivo da campanha nacional ‘Doe Sangue Regularmente, Tem Sempre Alguém Precisando de Você’, do Ministério da Saúde, que é intensificada no Dia Nacional do Doador de Sangue, comemorado neste domingo (25/11). No Brasil, cerca de 1,6% da população doa sangue – 16 a cada mil habitantes. Embora o percentual fique dentro dos parâmetros da Organização Mundial de Saúde (OMS) – de pelo menos 1% da população – o Ministério da Saúde tem trabalhado para aumentar o número de doadores.

Na semana do dia 25 de novembro, os serviços de hemoterapia de todo o país estão mobilizados em campanhas locais para ampliar o número de doadores.  A doação é 100% voluntária e beneficia qualquer pessoa, independentemente de parentesco com o doador. O sangue é essencial para os atendimentos de urgência, realização de cirurgias de grande porte e tratamento de pessoas com doenças crônicas, como a Doença Falciforme e a Talassemia, além de doenças oncológicas variadas que, frequentemente, necessitam de transfusão. A penas uma doação pode beneficiar até quatro pessoas.

“Uma das prioridades do Ministério da Saúde é manter os estoques de sangue abastecidos. É importante reforçar esse ato de solidariedade, que é a doação de sangue, em meses, como novembro, que precedem períodos de estoques baixos, devido à proximidade das férias, de datas comemorativas de fim de ano, carnaval e outros períodos de feriados prolongados, destaca o coordenador de Sangue e Hemoderivados do Ministério da Saúde, Flávio Vormittag. Ele destaca ainda que apenas uma doação pode beneficiar até quatro pessoas.

No Brasil, dados revelam que a doação é maior entre jovens na faixa etária de 18 a 29 anos, representando 42% dos doadores. Anualmente, em média, 3,3 milhões de pessoas doam sangue e aproximadamente 2,8 milhões realizam transfusão sanguínea no país. Do total de doadores no ano passado, 60% são homens. Do total de doadores no ano passado, 60% são homens.

Ao todo, existem no país 32 hemocentros coordenadores e 2.034 serviços de hemoterapia, incluindo hemocentros regionais, núcleos de hemoterapia, unidades de coleta e transfusão, central de triagem e laboratorial de doadores. No Brasil, estima-se que ainda 32% das doações são motivadas por familiares e amigos de pacientes.

Quem pode doar

No Brasil, pessoas entre 16 e 69 anos podem doar sangue. Para os menores de 18 anos é necessário o consentimento dos responsáveis e, entre 60 e 69 anos, a pessoa só poderá doar se já o tiver feito antes dos 60 anos. Além disso, é preciso pesar, no mínimo, 50 quilos e estar em bom estado de saúde. O candidato deve estar descansado, não ter ingerido bebidas alcoólicas nas 12 horas anteriores à doação e não estar de jejum. No dia, é imprescindível levar documento de identidade com foto.

A frequência máxima é de quatro doações anuais para o homem e de três doações anuais para a mulher. O intervalo mínimo deve ser de dois meses para os homens e de três meses para as mulheres.

Fonte: Ministério da Saúde.